Corona desculpa Lopetegui pelos maus resultados

Mexicano diz que a culpa é de todos, incluindo jogadores: "Não estávamos a fazer bem o nosso trabalho."

Para Jesus Corona a culpa pelos maus resultados do FC Porto foi dos jogadores e agradeceu a Lopetegui. "A equipa está bem, claro que está um pouco desagradada com o que se passa no clube. O treinador saiu, mas estamos muito agradecidos porque nos ensinou muitas coisas. Infelizmente, os resultados não corresponderam e a culpa é de todos, não estávamos a fazer bem o nosso trabalho. O clube tomou a decisão e agora há que reagir, virar a página e seguir em frente. A vida é assim", afirmou o jogador, em entrevista ao programa televisivo mexicano Jugando Claro.

A vitória sobre o Boavista (5-0) deu ânimo aos dragões: "A equipa precisava disto. Frente ao Boavista correu tudo bem e agora há que desfrutar e continuar a trabalhar para somar estes pontos." Nesse jogo Corona marcou um grande golo. "Recebi a bola e queria passar. Vi que não tinha muito espaço, por isso driblei e, graças a Deus, saiu tudo bem, assim como o remate", explicou.

E disse que quer continuar a jogar ao lado de Herrera, que anda muito cobiçado: "Claro que quero que ele fique, mas ele deve seguir os seus sonhos. Obviamente que gostava de estar com ele e com mais mexicanos na equipa. Há que desfrutar deste momento e procurar que o FC Porto seja melhor."

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.