Dragões vencem Mónaco e avança na Youth League

O FC Porto garantiu esta quarta-feira a presença nos oitavos de final da Youth League ao vencer o Mónaco, por 2-1, no Olival, em Vila Nova de Gaia, o que lhe valeu o primeiro lugar do Grupo G

A formação monegasca, adversária direta dos 'dragões' na luta pelo primeiro lugar no grupo, chegou à vantagem por Nabil Alioui, aos 25 minutos, mas o FC Porto deu a volta por Rui Pires, aos 42, e Madi Queta, aos 66.

Os portistas Madi Queta e Diogo Bessa, aos 11 e 14 minutos, e o visitante Abanda Nfomo, aos 13, foram os primeiros a procurar o golo, que acabou por surgir por Nabil Alioui, aos 25, e que deixava o Mónaco na liderança do grupo.

O FC Porto reagiu bem à desvantagem e depois de várias situações de perigo para cada uma das equipas, por Diogo Dalot, aos 30, Florian Antogneli, aos 31, e Irala Vera, aos 38, chegou ao empate por Rui Pires, aos 42.

No minuto seguinte, o paraguaio Irala Vera desperdiçou uma oportunidade flagrante para colocar o FC Porto em vantagem e, no início da segunda parte, ambas as equipas voltaram a repartir as oportunidades para marcar e desfazer o empate.

Diogo Dalot, aos 47 e 60, Thuram, aos 53, Afonso Sousa, aos 54, e Moreto Cassamá, aos 61, foram os jogadores que protagonizaram as principais ocasiões de perigo, obrigando os guarda-redes Emmanuel Mifsud e Diogo Costa a mostrarem serviço.

O golo do triunfo do FC Porto surgiu por Madi Queta, aos 66, no aproveitamento de um erro do defesa monegasco Amílcar Silva, que se deixou antecipar em zona proibida.

O Mónaco ainda procurou inverter a tendência do resultado, surgindo como mais frequência junta à área dos 'dragões', mas foi o FC Porto, já no quarto minuto dos descontos, que desperdiçou por Diogo Queiroz uma ocasião flagrante para aumentar.

O FC Porto terminou a fase de grupos da Youth League no primeiro lugar do G, com 15 pontos nos seis jogos realizados, seguido do Mónaco, com 10, dos alemães do Leipzig, com cinco, e dos turcos do Besiktas, com quatro.

Jogo no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia.

FC Porto -- Mónaco, 2-1.

Ao intervalo: 1-1.

Marcadores:

0-1, Nabil Alioui, 25 minutos.

1-1, Rui Pires, 42.

2-1, Madi Queta, 66.

Equipas:

- FC Porto: Diogo Costa, Diogo Dalot, Diogo Queirós, Diogo Leite, Diogo Bessa, Rui Pires, Romário Barot (Paulo Estrela, 70), Afonso Sousa (Mamadu Lamba, 91), Moreto Cassamá, Irala Vera e Madi Queta (Mateus Santos, 70).

(Suplentes: Ricardo Silva, Pedro Justiniano, Mamadu Lamba, Daniel Vieira, Paulo Estrela, Mateus Santos e João Maleck Robles).

Treinador: João Brandão.

- Mónaco: Emmanuel Mifsud, N"Gakoutou Yapende, Badiashile Mukinayi (Mehdi Zerkane, 46), Abdoulaye Kote, Amílcar Silva, Ibrahima Diallo, Florian Antognelli, Abanda Mfomo (Maxence Toutain, 84), Ulien Thuram (Mehdi Massengo, 65), Moussa Sylla e Nabil Alioui.

(Suplentes: Hugo Hagege, Giulian Biancone, Gobe Gouano, Jason Mbock, Maxence Toutain e Mehdi Massengo).

Treinador: Frédéric Barilaro.

Árbitro: José Maria Sanchez Martinez (Espanha).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Romário Baró (28), Mehdi Zerkane (59), Amílcar Silva (67), Moreto Cassamá (73) e Ibrahima Diallo (85).

Assistência: 306 espectadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.