Dragões vencem Mónaco e avança na Youth League

O FC Porto garantiu esta quarta-feira a presença nos oitavos de final da Youth League ao vencer o Mónaco, por 2-1, no Olival, em Vila Nova de Gaia, o que lhe valeu o primeiro lugar do Grupo G

A formação monegasca, adversária direta dos 'dragões' na luta pelo primeiro lugar no grupo, chegou à vantagem por Nabil Alioui, aos 25 minutos, mas o FC Porto deu a volta por Rui Pires, aos 42, e Madi Queta, aos 66.

Os portistas Madi Queta e Diogo Bessa, aos 11 e 14 minutos, e o visitante Abanda Nfomo, aos 13, foram os primeiros a procurar o golo, que acabou por surgir por Nabil Alioui, aos 25, e que deixava o Mónaco na liderança do grupo.

O FC Porto reagiu bem à desvantagem e depois de várias situações de perigo para cada uma das equipas, por Diogo Dalot, aos 30, Florian Antogneli, aos 31, e Irala Vera, aos 38, chegou ao empate por Rui Pires, aos 42.

No minuto seguinte, o paraguaio Irala Vera desperdiçou uma oportunidade flagrante para colocar o FC Porto em vantagem e, no início da segunda parte, ambas as equipas voltaram a repartir as oportunidades para marcar e desfazer o empate.

Diogo Dalot, aos 47 e 60, Thuram, aos 53, Afonso Sousa, aos 54, e Moreto Cassamá, aos 61, foram os jogadores que protagonizaram as principais ocasiões de perigo, obrigando os guarda-redes Emmanuel Mifsud e Diogo Costa a mostrarem serviço.

O golo do triunfo do FC Porto surgiu por Madi Queta, aos 66, no aproveitamento de um erro do defesa monegasco Amílcar Silva, que se deixou antecipar em zona proibida.

O Mónaco ainda procurou inverter a tendência do resultado, surgindo como mais frequência junta à área dos 'dragões', mas foi o FC Porto, já no quarto minuto dos descontos, que desperdiçou por Diogo Queiroz uma ocasião flagrante para aumentar.

O FC Porto terminou a fase de grupos da Youth League no primeiro lugar do G, com 15 pontos nos seis jogos realizados, seguido do Mónaco, com 10, dos alemães do Leipzig, com cinco, e dos turcos do Besiktas, com quatro.

Jogo no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia.

FC Porto -- Mónaco, 2-1.

Ao intervalo: 1-1.

Marcadores:

0-1, Nabil Alioui, 25 minutos.

1-1, Rui Pires, 42.

2-1, Madi Queta, 66.

Equipas:

- FC Porto: Diogo Costa, Diogo Dalot, Diogo Queirós, Diogo Leite, Diogo Bessa, Rui Pires, Romário Barot (Paulo Estrela, 70), Afonso Sousa (Mamadu Lamba, 91), Moreto Cassamá, Irala Vera e Madi Queta (Mateus Santos, 70).

(Suplentes: Ricardo Silva, Pedro Justiniano, Mamadu Lamba, Daniel Vieira, Paulo Estrela, Mateus Santos e João Maleck Robles).

Treinador: João Brandão.

- Mónaco: Emmanuel Mifsud, N"Gakoutou Yapende, Badiashile Mukinayi (Mehdi Zerkane, 46), Abdoulaye Kote, Amílcar Silva, Ibrahima Diallo, Florian Antognelli, Abanda Mfomo (Maxence Toutain, 84), Ulien Thuram (Mehdi Massengo, 65), Moussa Sylla e Nabil Alioui.

(Suplentes: Hugo Hagege, Giulian Biancone, Gobe Gouano, Jason Mbock, Maxence Toutain e Mehdi Massengo).

Treinador: Frédéric Barilaro.

Árbitro: José Maria Sanchez Martinez (Espanha).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Romário Baró (28), Mehdi Zerkane (59), Amílcar Silva (67), Moreto Cassamá (73) e Ibrahima Diallo (85).

Assistência: 306 espectadores.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.