Casillas afirma que vai ficar no Dragão até 2018

"Prometo estar melhor na próxima temporada, melhor do que nesta", garantiu o guarda-redes

O guarda-redes Iker Casillas afirmou hoje que permanecerá no FC Porto "até 2018" e que "Sporting e Benfica fizeram uma temporada muito boa" na I Liga de futebol, ao contrário dos 'dragões', que não estiveram "à altura".

O internacional espanhol disse, durante uma cerimónia comercial em Madrid, que "há uma grande vontade de conquistar a Taça de Portugal, que é um troféu importante, até para começar a pensar já na próxima temporada", admitindo que, nos seus planos, será cumprida no Porto.

"Vou ficar até 2018, pois estou a gostar e feliz, ainda por cima perto de casa", acrescentou Casillas, para quem a temporada que está a terminar "foi um ano com muitas mudanças e no Natal saíram vários jogadores e o treinador".

Segundo o guardião, "no início de janeiro, a equipa pagou a fatura de estar duas ou três semanas sem um treinador definitivo", recordando as jornadas em que foi dirigida, de forma interina, por Rui Barros.

"Sou muito autocrítico, posso fazer melhor e tenho que fazer melhor, pois não gostei, de uma forma geral, de ter terminado a temporada a 14 pontos do Benfica, nem me senti satisfeito com o meu rendimento pessoal", afirmou.

Iker Casillas, que chegou ao FC Porto no início da temporada que agora termina, admitiu que "foi uma mudança na vida e é sempre preciso algum tempo para adaptação".

"Prometo estar melhor na próxima temporada, melhor do que nesta", concluiu, a propósito do seu primeiro ano no Porto.

Casillas afirmou ainda estar esperançado em integrar a convocatória da seleção espanhola para o Euro2016 e que espera conquistar o terceiro título consecutivo na competição continental.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.