Brahimi é a chave para a desforra com o Chaves

Argelino pode fazer hoje o último jogo pelos dragões na I Liga antes da saída para a CAN e arrisca falhar a receção ao Sporting

O FC Porto defronta hoje o Desportivo de Chaves (20.00, Sport TV1), ainda com a memória recente da eliminação da Taça de Portugal, frente aos flavienses, mas a atravessar o momento mais positivo da temporada. A equipa de Nuno Espírito Santo procura a quinta vitória consecutiva e tem beneficiado do grande momento de forma de Brahimi, que passou de proscrito a uma das figuras dos dragões nos últimos jogos.

Os azuis e brancos tentaram negociar a venda do médio ofensivo argelino no final da temporada passada, mas não houve propostas que agradassem a todas as partes. Nuno Espírito Santo acabou por não utilizar Brahimi enquanto o mercado de verão estava aberto e o atacante de 26 anos permanece no Dragão.

Com Nuno no comando técnico, Brahimi nunca foi opção prioritária, até ao momento em que Otávio se lesionou. O argelino agarrou a titularidade frente ao Leicester, no início do mês, e desde então leva três golos em três jogos. Hoje, frente ao Chaves, vai fazer o que não acontecia no FC Porto desde fevereiro passado: quatro jogos seguidos na equipa titular no mesmo mês.

O técnico portista, porém, relativizou as individualidades no plantel. "Estão no campo, jogam, cada dia trabalham cada vez mais a assimilar uma ideia. Podem jogar 11, podiam jogar outros. Não têm nem mais nem menos do que tinham anteriormente, têm é oportunidade de pôr em campo o seu talento, sustentados por uma grande equipa por trás", frisou, referindo-se a Brahimi e Corona.

Porém, o FC Porto vai deparar-se brevemente com um problema: Brahimi vai ser chamado pela Argélia para participar na Taça das Nações Africanas e arrisca falhar cinco jornadas da I Liga. O argelino vai permanecer no FC Porto até ao início de fevereiro e pode ser opção contra Feirense e Moreirense, para a Taça da Liga, mas esta competição não é prioritária para os portistas.

O FC Porto vai formalizar, junto da federação argelina, um pedido para que o futebolista se apresente mais tarde para a CAN, mas a solicitação dificilmente será aceite. Os dragões querem o criativo para a visita ao Paços de Ferreira, a 8 de janeiro, mas os convocados pela seleção da Argélia têm de se apresentar na concentração da equipa quatro dias antes.

Em 2015, o FC Porto conseguiu o adiamento, mas na altura o período foi de apenas dois dias. Neste caso, a federação argelina teme que abrir um precedente para um clube possa levar a que todos façam exigências - é o caso do Leicester, de Slimani e Mahrez.

Na pior das hipóteses, o que depende do rendimento da Argélia na CAN, Brahimi pode falhar os jogos contra Paços de Ferreira, Moreirense, Rio Ave, Estoril e Sporting - neste caso, a seleção argelina teria de ir à final da CAN, que só termina a 5 de fevereiro, dia do clássico entre dragões e leões.

Nuno Espírito Santo reafirmou a sua satisfação com o trabalho desenvolvido e concorda com Iker Casillas, ao afirmar que o FC Porto evoluiu mais do que Benfica e Sporting. "Os jogadores souberam sair de uma situação difícil e dar um passo em frente. Muitas vezes eles não entendiam por que não acontecia. Souberam acreditar e ser persistentes. Entraram numa dinâmica diferente e agora as vitórias aparecem naturalmente. Isso é o crescimento e é isso que procuramos consolidar no tempo", sublinhou.

Ricardo Soares fica a ver

O Desportivo de Chaves já tem sucessor para Jorge Simão, novo técnico do Sp. Braga: Ricardo Soares, ex-Vizela. Aos 42 anos, Soares vai estrear-se na I Liga, mas hoje será apenas espectador no Estádio do Dragão, pois só assumirá o comando dos flavienses amanhã. A orientação da equipa nesta partida frente ao FC Porto ficará hoje a cargo de Carlos Pires, técnico interino do emblema transmontano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.