"Até dizem que tomamos coisas"

Médio portista fala em zunzuns que se ouvem sobre a capacidade física do plantel às ordens de Sérgio Conceição. À revista Dragões, o futebolista garante que não liga aos que dizem terceiros

"Não podemos ligar ao que dizem, até já ouvi por aí uns zunzuns que nós até tomávamos coisas para correr. Talvez as pessoas não tenham a noção do que a gente trabalha todos os dias e da exigência que o mister nos coloca no dia-a-dia. Se formos a ligar ao que as pessoas dizem...". Esta frase de Sérgio Oliveira é a mais marcante de uma entrevista concedida à revista Dragões.

O médio explica ainda que pesa no facto de estar a ser utilizado o conhecimento que o treinador tem sobre o seu futebol que já vinha da temporada passada quando se cruzaram no Nantes: "Digamos que no fundo ajudou, porque o mister foi-me conhecendo no dia-a-dia, sabia como eu treinava, conhecia as minhas qualidades e claro que pesou. No fundo, jogar domingo a domingo é diferente de quando acompanhas um jogador diariamente, vês a forma como ele trabalha, como ele tenta evoluir no dia-a-dia e ser melhor do que ontem. O mister percebeu que eu sou um jogador assim e acho que sim, esse facto pesou".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.