Astúcia de El Zorro deixa rivais entre a espada e a parede

Herrera marca e dá a marcar. Cansaço apertou na segunda parte, mas Aboubakar evitou sofrimento na compensação

Se no fim de semana anterior tinham sido Sporting e Benfica a jogar e vencer primeiro e a colocar pressão sobre o FC Porto, que ainda tinha de ir visitar o sempre complicado Bessa, desta vez os papéis inverteram-se. Entrando em campo primeiro, mesmo sem as 72 horas de recuperação recomendáveis após a receção ao Leipzig (3-1), os dragões levaram a melhor sobre o Belenenses e dormiram com cinco pontos de vantagem sobre os leões e oito sobre as águias, que hoje têm duelos complicadíssimos diante de Sp. Braga e V. Guimarães, respetivamente.

Esses três pontos a mais acabaram por ser mesmo o mais positivo da noite de ontem, a primeira da época em que o Dragão não viu a equipa da casa marcar pelo menos três golos. Na primeira parte, com a irreverência de Hernâni na direita - novidade no onze, a par de Reyes -, os rasgos de Brahimi a espaços na esquerda e a dinâmica imposta por Herrera ao meio, os portistas conseguiram aproximar-se do nível a que têm habituado os adeptos, conseguindo materializar a superioridade em golo à beira do intervalo. Depois de 42 minutos em que uma floresta de pernas e a inspiração de Muriel adiaram o golo inaugural, o médio mexicano aproveitou as sobras de um canto de Alex Telles que percorreu toda a área para balançar as redes.

O intervalo, porém, não fez bem à equipa de Sérgio Conceição. Se o quarto de hora de interregno deveria ter servido para recarregar baterias, a verdade é que os líderes do campeonato acusaram o desgaste ao longo do segundo tempo, o que permitiu ao Belenenses soltar as amarras. Os lisboetas procuraram sair rapidamente para o ataque, chegaram aos últimos 30 metros com alguma facilidade, mas foram tímidos e inconsequentes na zona de definição.

Apesar da falta de engenho e arte dos visitantes, Sérgio Conceição sentiu que devia refrescar a equipa, para não correr riscos desnecessários, e trocou Hernâni por Corona à passagem da hora de jogo, na tentativa de resgatar alguma da dinâmica perdida nos últimos 45 minutos. Contudo, o FC Porto só voltou a ganhar vida com as entradas de Galeno e Sérgio Oliveira, à entrada para a reta final. Com dois novos pares de pernas frescas, os dragões voltaram de uma forma mais vincada ao controlo das operações e agarraram a vitória, dando a estocada final ao cair do pano, pelo inevitável Aboubakar, que faturou pela terceira jornada consecutiva.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.