ANA reage às acusações de Francisco J. Marques ao aeroporto de Faro

Diretor de comunicação dos dragões tinha dito esta terça-feira no Porto Canal que a comitiva portista foi alvo de "comportamento discriminatório e hostil", devido a recusa de permissão excecional para levantar voo depois de o aeroporto fechar

A ANA - Aeroportos de Portugal atribuiu a recusa de permissão excecional ao FC Porto para levantar voo depois de o aeroporto de Faro fechar, no domingo, à Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC).

Através de um esclarecimento, a ANA explicou que a ANAC não concedeu autorização aos dragões para a realização da operação por "não se tratar de um caso de força maior, conforme previsto na lei". Quanto à obtenção do serviço GreenWay, a empresa que gere os aeroportos em Portugal diz que o gabinete de segurança do aeroporto de Faro logo "contactou telefonicamente a Portway que assistia o voo e informou que, face a esta dificuldade, iria disponibilizar uma linha de rastreio exclusiva para a comitiva do FC Porto".

Recorde-se que, esta terça-feira, o diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, acusou o aeroporto de Faro de "comportamento discriminatório e hostil" para com o clube, dizendo não perceber a recusa de permissão excecional para levantar voo até às 0.45 de domingo, dia em que jogou com o Portimonense, quando o aeroporto fecha às 0.00.

Eis o comunicado da ANA na íntegra:

"Na sequência das acusações que o FC Porto, pela voz do seu diretor de comunicação, fez ao Aeroporto de Faro, a ANA Aeroportos de Portugal, esclarece o seguinte:

1. O Aeroporto de Faro só pode operar entre as 00h00 e as 06h00 com autorização da ANAC - Autoridade Nacional de Aviação Civil. A operação solicitada pelo FC Porto não foi autorizada pela ANAC visto não se tratar de um caso de força maior, conforme previsto na lei;

2. Na segunda-feira, 26 de fevereiro, o operador da aeronave que servia o FC Porto solicitou ao Gabinete de Segurança do Aeroporto de Faro a aquisição do serviço GreenWay para 48 passageiros. De acordo com as normas em vigor no Aeroporto de Faro, só as companhias aéreas que têm um contrato de prestação serviço GreenWay podem dar esse serviço aos seus passageiros;

3. No entanto, apesar de o Aeroporto de Faro não vender o serviço GreenWay a grupos ou a passageiros individuais, de imediato o Gabinete de Segurança contactou telefonicamente a Portway que assistia este voo e informou que face a esta dificuldade iria disponibilizar uma linha de rastreio exclusiva para a comitiva do FC Porto."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.