Nuno e o ADN de campeão do Benfica: "Palavras normais se analisadas"

Iker Casillas considerou que o Benfica tem um ADN de campeão superior ao do FC Porto. Técnico portista compreende as declarações

O treinador do FC Porto assegurou hoje a concentração para vencer o Desportivo de Chaves, na segunda-feira, na 14.ª jornada da I Liga de futebol, apontando que o ADN de campeão está a ser "construído no dia a dia".

"Temos de pensar nos três pontos. Ainda não estamos na posição que queremos estar e os três pontos vão-nos aproximar do que queremos. Não há pressão porque a tabela classificativa neste momento não é determinante", disse Nuno Espírito Santo, em conferência de imprensa.

Confrontado com as declarações do guarda-redes Iker Casillas, que numa entrevista recente disse que o FC Porto não tem ADN de campeão, Nuno Espírito Santo interpretou as palavras do internacional espanhol como "normais se analisadas".

"Temos muita juventude e muitos jogadores que integraram agora o FC Porto. O ADN constrói-se no dia a dia. Todos temos de saber a grandeza de um clube que representamos e a obrigação de quebrar um ciclo de três anos sem vencer títulos", referiu o técnico.

Os portistas recebem no Dragão o Desportivo de Chaves, emblema que esta semana viu o treinador Jorge Simão rumar ao Sporting de Braga, mas Nuno Espírito Santo desvalorizou esse facto, lembrando que "os jogadores são os mesmos", pelo que acredita que "a ideia do jogo" dos flavienses "não vai mudar".

O treinador elogiou o conjunto transmontano, destacando o seu "bom contra-ataque", pelo que admite que terá pela frente "um adversário difícil" para disputar um "jogo importante" em que quer um FC Porto a ser "igual a si próprio".

"Temos de conseguir impor o nosso jogo, a nossa ideia é conseguir o mais importante: três pontos e continuar a somar. Cada vez mais os adversários no Dragão juntam linhas, retiram espaços. Cabe-nos encontrar soluções e combinações para chegar ao golo", resumiu.

O FC Porto foi eliminado da Taça de Portugal pelo Desportivo de Chaves, no desempate nas grandes penalidades, mas para o jogo de segunda-feira, Nuno Espírito Santo garantiu que "não há sentimento de vingança", frisando que o que move a equipa "é uma vontade enorme de ganhar e de crescer".

"Acho que os jogadores souberam sair de uma situação difícil, souberam encontrar soluções e dar um passo em frente. Muitas vezes eles não entendiam porque é que o golo não acontecia. Souberam acreditar e ser persistentes. Agora as coisas acontecem naturalmente e as vitórias são consecutivas e importantes para um crescimento sustentado", concluiu.

O FC Porto, segundo classificado com 31 pontos, menos quatro do que o líder Benfica, recebe o Desportivo de Chaves, sétimo com 19 pontos, na segunda-feira, às 19:00, num jogo que vai ter arbitragem de Vasco Santos, da associação do Porto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.