Aboubakar renova e dragões compram totalidade do passe

Os azuis e brancos informaram a Comissão do Mercado dos Valores Mobiliários (CMVM) que adquiriu os restantes 60 por cento dos direitos económicos do camaronês, que prolongou vínculo até 2021

O FC Porto anunciou esta quinta-feira que adquiriu os restantes 60 por cento do passe do avançado camaronês Vincent Aboubakar ao antigo clube do jogador, os franceses do Lorient, a troco de 7,2 milhões de euros, passando a deter a totalidade dos direitos económicos do goleador africano.

No mesmo comunicado dos dragões à CMVM, foi anunciado que Aboubakar renovou até 30 de junho de 2021 e que a cláusula de rescisão do futebolista se mantém nos 50 milhões de euros.

Recorde-se que o internacional camaronês, 25 anos, chegou ao FC Porto em 2014, mas que na temporada passada esteve emprestado ao Besiktas. Nesta temporada, leva oito golos marcados, em nove partidas.

Comunicado do FC Porto à CMVM:

"A Futebol Clube do Porto - Futebol, SAD, nos termos do artigo 248º nº1 do Código dos Valores Mobiliários, vem informar o mercado que adquiriu a percentagem adicional de 60% dos direitos económicos do jogador Vincent Aboubakar, ao Football Club Lorient Bretagne Sud, pelo montante de 7.200.000euro (sete milhões e duzentos mil euros), passando assim a deter a totalidade desses direitos. Mais se informa que esta Sociedade prolongou o contrato de trabalho com o referido jogador até 30 de Junho de 2021, mantendo-se a cláusula de rescisão prevista contratualmente nos 50.000.000 euro (cinquenta milhões de euros).

Mais se informa que esta Sociedade prolongou o contrato de trabalho com o referido jogador até 30 de Junho de 2021, mantendo-se a cláusula de rescisão prevista contratualmente nos 50.000.000 euro (cinquenta milhões de euros)."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?