Dragão sofre primeira derrota no campeonato em Paços de Ferreira (1-0)

Miguel Vieira marcou o golo que ditou o desaire portista, que deixa azuis e brancos com apenas dois pontos de avanço sobre o Benfica, quando faltam oito jornadas por disputar

O FC Porto sofreu este domingo a primeira derrota nas competições nacionais esta época, perdendo por 0-1 na visita ao Paços de Ferreira, na 26.ª jornada do campeonato.

Um golo de Miguel Vieira aos 35 minutos, após cruzamento tenso de Filipe Ferreira, bastou aos pacenses, que com este triunfo saem da zona de despromoção.

No segundo tempo, Brahimi teve uma oportunidade de ouro para restabelecer a igualdade, mas permitiu a defesa de Mário Felgueiras na execução de uma grande penalidade (68').

Com este resultado, o FC Porto fica apenas com dois pontos de vantagem sobre o vice-líder Benfica, quando faltam disputar oito jornadas da I Liga.

Veja o resumo

Onzes iniciais:

Paços de Ferreira - Mário Felgueiras; João Góis, Rui Correia, Miguel Vieira e Filipe Ferreira; Assis e Rúben Micael; Xavier, Pedrinho e Quiñones; Luiz Phellype.

Suplentes: Defendi, Bruno Santos, Bruno Moreira, André Leal, Ricardo, Mabil e Vasco Rocha.

FC Porto - Casillas; Ricardo, Felipe, Marcano e Dalot; Corona, André André, Sérgio Oliveira e Brahimi; Waris e Aboubakar.

Suplentes: José Sá, Maxi, Paulinho, Hernâni, Gonçalo Paciência, Reyes e Otávio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.