Aboubakar abriu cedo as portas dos oitavos

FC Porto é a única equipa portuguesa entre as 16 melhores da prova. Goleada ao Mónaco assegura já 23,7 milhões de euros

A atravessar o maior jejum goleador da época, numa série de três jogos sem marcar que coincidiu com três empates consecutivos do FC Porto (Besiktas, Aves e Benfica), Vincent Aboubakar festejou o reencontro com a sua vítima preferida no futebol europeu e voltou aos golos em dose dupla, desbloqueando a tarefa portista, que assim voltou também aos triunfos e carimbou o apuramento para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões com um folgado 5-2 sobre o Mónaco.

Os dragões rechearam os cofres com mais 7,5 milhões de euros (seis pelo apuramento e 1,5 pela vitória), aumentando as receitas desta Champions para 23,7 milhões, uma soma importante para o sucesso do plano de fair-play financeiro, e marcaram lugar no sorteio da próxima segunda-feira, em Nyon. Mas nem tudo foi perfeito: Felipe viu o vermelho direto num desentendimento com o argelino Ghezzal (também expulso), ainda na primeira parte, e será uma baixa importante para os oitavos-de-final (pelo menos um dos jogos).

Numa noite que começou até com um contratempo para Sérgio Conceição - que viu Otávio, em quem apostara para o onze, lesionar-se no aquecimento e ceder o lugar a André André -, tudo acabou por ser fácil para o FC Porto, contra um Mónaco já sem quaisquer ambições (em último lugar do grupo, eliminado) e com um onze bastante diferente do habitual, como Leonardo Jardim avisara de véspera.

O treinador português do Mónaco aproveitou para proporcionar a estreia na Champions a dois jogadores (Meité e Kongolo), num onze com o português Rony Lopes, mas deixou no banco dois "filhos queridos" do Dragão, Moutinho e Falcao, que receberam uma grande ovação quando entraram, já a meio da segunda parte, após o 4-1. Com a certeza de que uma vitória daria o apuramento, o FC Porto nem chegou a inquietar-se, pois Aboubakar começou a tranquilizar as hostes bem cedo, aos oito minutos, quando o jogo ainda não tinha sequer definido uma tendência. Na sequência de um lance de bola parada (um dos trunfos do dragão esta época), que a defesa do Mónaco aliviou numa primeira fase, Brahimi foi lesto na insistência e apanhou o camaronês isolado. Este não perdoou e assinalou o regresso aos golos, com o seu quarto nesta Champions.

Em vantagem, o FC Porto não precisou de ser brilhante nem de forçar muito o ritmo para controlar completamente as operações, circulando a bola à espera das brechas na defensiva do Mónaco e aproveitando as recuperações para ensaiar transações rápidas, como aquela que resultou no segundo golo de Aboubakar (sexto da carreira contra o clube francês).

O camaronês bisou e aumentou para 17 os golos na época, finalizando uma assistência de Danilo num contra-ataque que começou com um corte de Felipe junto à área portista. Isto foi aos 33", cinco minutos antes de o central brasileiro e o argelino Ghezzal serem expulsos, após desentendimento por uma entrada mais impetuosa do portista. Mas Aboubakar ainda não tinha terminado a sua missão pessoal e, antes do intervalo, trocou de papéis com Brahimi e assistiu o argelino para o 3-0.

Tudo simples, tudo fácil e tudo praticamente sentenciado em 45 minutos. A segunda parte parecia um excesso dispensável nesta partida, mas revelou-se um animado exercício de futebol, com direito a mais quatro golos, repartidos pelas duas balizas. Um penálti duvidoso permitiu a Gilik reduzir para 3-1, aos 61", mas o FC Porto nem chegou a vacilar, pois Alex Telles repôs a diferença quase de seguida num belo remate de fora da área.

Depois, houve ainda tempo para o dragão reviver uma velha imagem muitas vezes celebrada, quando Falcao voltou a reduzir para o Mónaco num cabeceamento na área portista, e para festejar o regresso de Soares aos golos: o brasileiro, que substituíra Aboubakar, fechou o marcador em 5-2.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.