Dragões venceram em Guimarães por 2-0

Aboubakar e Soares marcaram para a equipa de Sérgio Conceição

O FC Porto de Sérgio Conceição venceu o Vitória de Guimarães, por 2-0, no Estádio D. Afonso Henriques, no jogo de apresentação dos vimaranenses aos sócios.

Os avançados Aboubakar (aos 21 minutos) e Soares (aos 26') fizeram os golos portistas na primeira parte, durante a qual os dragões demonstraram superioridade em relação ao adversário, mostrando já um bom plano de preparação.

Na segunda metade, o FC Porto ficou reduzido a dez unidades aos 53 minutos, por expulsão de André André, que teve uma entrada dura sobre Hurtado. O central Felipe ainda teve de tirar uma bola sobre a linha de golo, mas os dragões aguentaram o resultado até final.

Destaque para a primeira titularidade, esta pré-época, de Danilo no FC Porto. O campeão europeu antecipou o regresso de férias após a Taça das Confederações, tendo participado já na digressão mexicana da equipa.

Ricardo, que na época passada esteve cedido ao Nice e é um dos "reforços" do plantel para esta temporada, volta a ser titular como lateral direito, em detrimento de Maxi Pereira, como tem sido hábito nesta pré-temporada.

Este foi o último encontro de preparação dos vimaranenses antes da Supertaça, frente ao Benfica, a 5 de agosto, enquanto o FC Porto ainda defronta o Portimonense na quinta-feira, três dias antes da apresentação aos seus adeptos, com o Deportivo.

Onze do FC Porto: Casillas; Ricardo, Felipe, Marcano e Alex Telles; Danilo; Corona, Óliver e Otávio; Aboubakar e Soares.

Onze do V. Guimarães: Douglas; Sacko, Josué, Moreno, Vigário; Rafael Miranda e Zungu; Sturgeon, Tozé e Raphinha; Texeira

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.