Desistiu de chegar ao topo do Evereste para salvar amiga

Leslie Binns estava a cerca de 500 metros do cume. Mas voltou para trás

Um dia para não mais esquecer. Leslie Binns, antigo militar britânico de 42 anos, estava a cerca de 500 metros do pico do Evereste quando voltou para trás para salvar a vida a uma amiga indiana, Sunita Hazra.

Após tanto esforço e com o grande objetivo à vista, o alpinista nascido em Rotherham não pensou duas vezes e a recompensa foi até maior do que aquela de atingir o ponto mais alto da montanha. "Sinto-me imensamente orgulhoso", referiu, não escondendo no entanto a tristeza por não ter conseguido salvar a vida de um outro companheiro que morreu quando já descia.

Leslie Binns esteve 13 anos no exército britânico, com missões na Bósnia, no Iraque e no Afeganistão, onde perdeu o olho esquerdo na sequência de uma explosão. A sua carreira militar valeu-lhe duas medalhas, incluindo a Comenda da Rainha pela bravura, por ter descoberto, em 2009, um dispositivo de explosivos artesanais.

Um herói de guerra britânico que se tornou agora herói de Sunita Hazra, de 32 anos. "Não conseguimos expressar a nossa gratidão", afirmou à BBC o irmão da vítima, Kingshuk Chatterjee. "Ele é um homem muito corajoso e é a razão pela qual a minha irmã está viva", acrescentou.

Binns, que atualmente é segurança privado nos campos de exploração de petróleo no Iraque, explicou que o incidente com Hazra sucedeu numa área denominada The Balcony (A Varanda), onde as equipas de escalada armazenam as botijas de oxigénio. "Senti alguém a deslizar. Só ouvi gritos e avancei para tentar parar a sua queda. Só depois vi que era Sunita Hazra. Ajudei-a a pôr-se de pé e ao olhar para o seu regulador de oxigénio verifiquei que a botija estava vazia", revelou o ex-militar, que ajudou a amiga a recompor-se e a iniciar a descida...

Contudo, após 20 metros Sunita entrou em colapso e foi aí que Leslie Binns decidiu desistir da sua escalada para ajudar a indiana. Deu-lhe a sua garrafa de oxigénio de reserva e apesar do perigo e das dificuldades por causa das baixas temperaturas lá foram descendo até que tiveram de parar. Sunita estava em hipotermia e foi então que lhe deu o seu saco cama e fez tudo para a aquecer durante a noite. No dia seguinte reiniciaram a caminhada, acabando por salvar a amiga.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG