Nani: "O nosso futebol não é comparável ao da Grécia"

Nani tem as prioridades definidas; ganhar e depois jogar bem, se possível. Mas não lhe digam que Portugal é similar ao futebol do campeão europeu em 2004. E revela que agora todos remam "para o mesmo lado"

Mais uma vez, o nível exibicional do futebol apresentado por Portugal foi tema numa conferência de imprensa. Nesta terça-feira com Nani, autor de dois golos neste Europeu, que não vê semelhanças com o campeão europeu em 2004..

"Não vejo assim, jogámos quatro jogos e o nosso futebol não é comparável ao futebol da Grécia, jogos diferentes. Acho que fizemos um bom espectáculo com a Hungria, nem todos os jogos podemos jogar assim, temos um objetivo e em primeiro lugar estará o nosso objetivo, se for preciso de abdicar de jogar bem vamos fazê-lo. Acredito que todos os meus colegas e treinador gostávamos de jogar sempre bem e agradar aos adeptos, masi o mais importante é ganhar. O objetivo é ganhar todos os jogos, chegar à final, seja qual for a maneira, para que todo o povo português fique satisfeito. Noutras alturas também já jogámos bem e ganhamos mas este é para mim um dos melhores momentos da seleção, pelo grupo, pela juventude da equipa, demonstramos companheirismo, remamos todos para o mesmo lado, com todas as condições para irmos o mais longe possível", referiu o extremo, que admite estar a fazer a "melhor fase final" de uma prova de seleções.

"Sinto-me bem, sinto que estou estou a ajudar a equipa e a seleção, pode ser que esteja a fazer a minha melhor fase final de sempre, em 2012 também tinha feito um excelente europeu, mas esta talvez seja melhor. Com golos e muita participação nos jogos, estou a contribuir para o sucesso da seleção e isso dá-me satisfação", considerou.

No que diz respeito ao duelo com a Polónia, Nani sublinha que"já não há equipas favoritas", mas reconhece que "a Polónia é muito forte e com jogadores muito experientes". E antecipa já o que pode surgir: "Vamos ter de sofrer em alguns momentos."

E dá o exemplo do último adversário: "A Croácia disse que ia ganhar e esmagar Portugal e em cinco minutos viram que não conseguiam fazer nada."

Sobre as 100 internacionalizações alcançadas com a Croácia, Nani diz-se muito feliz por pertencer a um núcleo muito restrito do qual já faziam parte Ronaldo, Figo e Fernando Couto. "Significa muito, é uma honra enorme fazer parte deste quadro da história da nossa seleção. Desde a primeira vez que enverguei esta camisola que me senti muito orgulhoso, carregava muito peso em cima de mim."

Como é sabido, Fernando Santos está quase a terminar contrato. Nani não o diz explicitamente mas, nas entrelinhas, deixa subentendido que gostava que o técnico prosseguisse no cargo: "É um assunto que cabe ao nosso presidente e ao nosso selecionador resolverem. Eles têm muito boa relação, penso que não vai ser problema."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).