Nani é o quarto português a chegar às 100 internacionalizações

Titular contra a Croácia, jogador entra em lote restrito de 'centenários' na seleção A

O avançado Nani tornou-se este sábado o quarto jogador da seleção portuguesa de futebol a atingir as 100 internacionalizações 'AA', no embate com a Croácia, dos oitavos de final do Euro2016, que está a decorrer em Lens.

Aos 29 anos, o jogador formado no Sporting entra numa lista restrita onde apenas contam Cristiano Ronaldo, que soma hoje o 130.º encontro pela seleção principal, Luís Figo, com 127 jogos, e Fernando Couto, com 110.

O antigo central da Académica, FC Porto, FC Barcelona, Parma e Lazio foi o primeiro a atingir o centenário, a 11 de outubro de 2003, frente à Albânia (5-3), num embate particular realizado no Estádio do Restelo, em Lisboa.

Quatro meses e sete dias depois, a 18 de fevereiro de 2004, no Estádio do Algarve, foi a vez de Figo alcançar o centenário, face à Inglaterra, (1-1), também num empate 'amigável'. Foi titular e saiu aos 66 minutos.

O terceiro jogador luso a atingir os 100 jogos foi Cristiano Ronaldo, a 16 de outubro de 2012, num encontro de apuramento para Mundial de 2014, no empate caseiro com a Irlanda do Norte (1-1), realizado no Estádio do Dragão, no Porto.

Nascido a 17 de novembro de 1986, Nani chega hoje aos 100 jogos, depois de um trajeto na seleção 'AA' iniciado a 01 de setembro de 2006, ainda antes de trocar o Sporting pelo Manchester United.

Em Brondby, nos arredores de Copenhaga, Nani foi titular num particular com a Dinamarca. Jogou de início e marcou um golo, que não evitou o desaire de Portugal por 4-2, acabando substituído aos 66 minutos, por Hugo Almeida.

Na sua carreira na seleção, o agora jogador do Fenerbahçe conta 20 golos, dois dos quais já apontados no Euro2016, um face à Islândia (1-1), na estreia, e outro frente à Hungria (3-3), no último jogo da fase de grupos.

- Os 10 jogadores mais internacionais 'AA'

1. Cristiano Ronaldo 130 jogos (a)

2. Luís Figo 127

3. Fernando Couto 110

4. Nani 100

5. Rui Costa 94

6. Ricardo Carvalho 89 (b)

7. Pauleta 88

. João Moutinho 87 (b)

9. Simão Sabrosa 85

. Bruno Alves 85 (b)

(a) - Já inclui o jogo com a Croácia.

(b) - Suplente face à Croácia.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.