Maradona: "Portugal depende muito de Ronaldo. Croácia é favorita"

Estrela argentina considera a seleção croata favorita no jogo dos oitavos de final

Diego Maradona escrevou no Times of India que considera a seleção portuguesa demasiado dependente de Cristiano Ronaldo e considerou a Croácia favorita para o jogo dos oitavos: "Portugal é demasiado dependente de Ronaldo. Esteve brilhante contra a Hungria, mas perdem metade da força se ele não está e os croatas vão assegurar taticamente que ele faz o mínimo possível", explica o argentino.

"Ele deve mover-se pelos espaços e gerar oportunidades para Portugal. Também tem que tapar espaços no campo e na defesa, porque estas são áreas onde os erros podem conduzir à eliminação. A Croácia arranca como favorita", acrescenta.

O argentino não considera que haja um lado mais fraco do quadro da fase a eliminar: "O sorteio dos oitavos de final conta com equipas mais fortes como a Alemanha, Espanha, Itália, França e Inglaterra num dos lados do quadro. Isto faz com que a outra metade seja um pouco mais fácil. As eliminatórias diretas em competições mais importantes baseiam-se em eliminar erros e dar o melhor que se pode, independentemente dos adversários."

"Os croatas são lutadores e mostraram isso contra a Espanha. Empataram após estarem a vencer 2-0 no jogo anterior com a Rep. Checa e sofreram um golo cedo contra os campeões [Espanha]. Podiam ter quebrado. Mas a maneira como a Croácia venceu sem estrelas como Modric e Mandzukic foi um testemunho de firmeza e capacidade de resolução", explicou o argentino. "Os croatas são taticamente como várias equipas europeias, não desvalorizam a defesa. A especialidade desta equipa parece ser a habilidade de lançar contra-ataques rapidamente com poucos toques. Isso pode ser uma experiência diferente contra Portugal, se Ronaldo e a sua equipa decidirem optar por jogar em contra-ataque. A Croácia tem de criar espaços e apresentar um plano B, com Modric e Rakitic no meio campo, sob o estilo com o qual eles ganharam o bronze do Campeonato do Mundo em 1998, mas com um alto nível de tática e disciplina, trabalho em equipa e determinação. A experiência diz-me que estas são características importantes na fase de qualificação", terminou o argentino.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.