Del Bosque critica atitudes de Casillas

Vicente del Bosque enviou mensagens a todos os jogadores após a eliminação do Euro 2016, menos ao guarda-redes do FC Porto

O espanhol Vicente del Bosque, que recentemente anunciou que não vai continuar no comando da seleção espanhola, criticou os comportamentos do guarda-redes Iker Casillas para com o selecionador e a sua equipa técnica, nomeadamente o preparador físico Javier Miñano e o treinador adjunto Toni Grande. "Com os companheiros tem estado bem, mas com a equipa técnica mais ou menos", explicou o técnico espanhol.

"O amuo de Casillas foi apenas connosco. Digo-o com toda a sinceridade. Com os companheiros esteve perfeito. De certeza que conversaremos no futuro. Não pode haver ressentimentos", acrescentou Del Bosque

Na ressaca da eliminação do Europeu, o agora ex-selecionador enviou uma mensagem de despedida a todos os jogadores menos a Iker Casillas. "O único a quem não mandei mensagem foi a Casillas. Não me caiu bem que se tenha portado mal com a equipa técnica."

Apesar das críticas, Vicente Del Bosque sente que o guarda-redes foi uma peça fundamental para a Espanha: "Deve sentir-se orgulhoso por ter estado tantas vezes na seleção. O seu currículo não sai beliscado com este Europeu. Se um dia for treinador vai perceber a dificuldade do papel. Casillas não me desapontou. Eu tenho memórias desde que o conheci aos 9 anos", concluiu.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.