Portugal nas meias-finais após vitória nos penáltis

Após o empate 1-1 com a Polónia, o jogo foi decidido nos penáltis. Rui Patrício defendeu o remate de Blaszczykowski e Quaresma não perdoou na última grande penalidade

Pela quinta edição consecutiva, Portugal está nas meias-finais de um Campeonato da Europa de futebol. Esta quinta-feira, a seleção nacional derrotou a Polónia (5-3) no desempate por penáltis, após um empate 1-1 nos 120 minutos. Em Marselha, Rui Patrício foi decisivo, ao defender o quarto remate dos polacos, batido por Blaszczykowski. Depois, Ricardo Quaresma voltou a ser o talismã e carimbou o 5-3 final.

No entanto, antes de mais um desfecho festivo, os portugueses tiveram de sofrer, como já tem sido habitual neste Euro 2016. Lewandowski adiantou a Polónia, logo ao minuto 2. E Portugal só conseguiu reagir a meio da primeira parte. Aos 33', Renato Sanches - que se estreou a titular- marcou o 1-1, num belo tiro de fora da área.

No segundo tempo, os portugueses estiveram mais perto do golo mas pecaram na finalização. E, no prolongamento, as cautelas de ambas as equipas não geraram ocasiões de perigo.

Chegado o desempate na marcação de grandes penalidades, Cristiano Ronaldo, Renato Sanches, João Moutinho, Nani e Ricardo Quaresma (por esta ordem) não falharam. Quando Patrício saltou para a sua esquerda para travar o remate de Blaszczykowski, Portugal ficou a um "passinho" do apuramento. E Quaresma deu esse passo, o 5-3. Segue-se País de Gales ou Bélgica (jogam esta sexta-feira) como rival das meias-finais: o jogo é na quarta-feira, dia 6, em Lyon (20.00).


Filme da partida:

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.