Bis de Griezmann salva a França

Avançado do Atlético de Madrid deu a volta à vantagem inicial da República da Irlanda (2-1)

A França apanhou este domingo um grande susto, mas um 'bis' de Antoine Griezmann permitiu aos gauleses virar o resultado e vencer a Irlanda por 2-1, assegurando os quartos de final do Euro2016 de futebol.

Os irlandeses adiantaram-se no marcador logo aos dois minutos, através de Robbie Brady, na conversão de uma grande penalidade, mas bastaram três minutos, entre os 58 e 61, para Antoine Griezmann bisar na partida e dar a vitória à sua seleção, que assim segue para os quartos de final.

A Irlanda não podia ter esperado por melhor início, ao beneficiar logo aos dois minutos de uma grande penalidade cometida por Paul Pogba sobre Shane Long. Na conversão, Robbie Brady não perdoou e colocou a sua seleção na frente.

A perder tão cedo, a França foi em busca da igualdade, mas só conseguiu incomodar a defesa contrária através de lances de bola parada, normalmente defendidos com segurança pelo guarda-redes Darren Randolph.

Do outro lado, e embora em vantagem, a equipa do Eire nunca deixou de espreitar a possibilidade de ampliar, criando um par de situações complicadas à defesa gaulesa.

A melhor ocasião da França para poder igualar surgiu mesmo em cima do intervalo, aos 45+1, num lance em que Antoine Griezmann e Dimitri Payet remataram em plena área irlandesa, mas os seus remates encontraram defesas contrários pelo caminho.

A França entrou bem na segunda metade e podia ter empatado aos 48 minutos, num livre direto cobrado por Dimitri Payet para o segundo poste, mas Laurent Koscielny, desmarcado, não conseguiu desviar.

A pressão francesa foi-se acentuando e, aos 58, finalmente chegou o empate, num lance em que Bacary Sagna cruzou na perfeição da direita e Griezmann, na marca da grande penalidade, cabeceou sem hipóteses para Randolph.

O golo animou os gauleses e, volvidos três minutos, a equipa anfitriã do Euro passou para a frente do marcador. Lance iniciado em Adil Rami, que colocou a bola em Olivier Giroud e este endossou-a para Griezmann, que, com o seu pé esquerdo, voltou a não dar hipóteses a Randolph.

Em vantagem no marcador e, a partir dos 66 minutos, com mais um em campo devido à expulsão de Shane Duffy, a França passou a gerir a vantagem e acabou por desperdiçar a oportunidade de golear, tantas foram as ocasiões perdidas, perante uma Iralnda sem forças para conseguir contrariar o ascendente contrário.

Nos quartos de final, a França vai defrontar, a 03 de julho, o vencedor do encontro de segunda-feira entre a Inglaterra e a Islândia.

Jogo no estádio de Lyon.

França -- República da Irlanda, 2-1.

Ao intervalo: 0-1.

Marcadores:

0-1, Robbie Brady, 02 minutos (grande penalidade).

1-1, Antoine Griezmann, 58.

2-1, Antoine Griezmann, 61.

Equipas:

- França: Hugo Lloris, Bacary Sagna, Adil Rami, Laurent Koscielny, Patrice Evra, Paul Pogba, N"Golo Kanté (Kingsley Coman, 46, Moussa Cissoko, 90+3), Blaise Matuidi, Antoine Griezmann, Dimitri Payet e Olivier Giroud (Andre-Pierre Gignac, 73).

Selecionador: Didier Deschamps.

- República da Irlanda: Darren Randolph, Seamus Coleman, Richard Keogh, Shane Duffy, Stephen Ward, James McCarthy (Wes Hoolahan, 72), Jeff Hendrick, Robbie Brady, James McClean (Jonh O"Shea, 68), Shane Long e Daryl Murphy (Jon Walters, 65).

Selecionador: Martin O"Neill.

Árbitro: Nicola Rizzoli (Itália).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Seamus Coleman (25), N"Golo Kanté (27), Jeff Hendrick (41), Adil Rami (44) e Shane Long (72). Cartão vermelho direto para Shane Duffy (66).

Assistência: 56.279 espetadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).