Apostas ilegais no Euro2016 atingem valores recorde em Hong Kong

Rusga de quarta-feira permitiu apreensão de 'fichas' de apostas de futebol no valor de 29 milhões de euros

A polícia de Hong Kong descobriu um valor recorde de apostas ilegais nos jogos do Euro2016 superior a 360 milhões de dólares locais (41,8 milhões de euros) horas antes da meia-final entre Portugal e País de Gales.

Segundo noticia hoje o jornal South China Morning Post, foram também detidas 15 pessoas, na sequência de uma operação lançada na antiga colónia britânica na quarta-feira, horas antes da primeira meia-final do campeonato europeu de futebol, em que Portugal se qualificou para a final ao vencer o País de Gales por 2-0.

Na maior apreensão desde o início da prova, no mês passado, agentes da unidade de combate ao crime organizado e tríades travaram um suspeito na noite de quarta-feira e descobriram 'fichas' de apostas de futebol no valor de 250 milhões de dólares de Hong Kong (29 milhões de euros).

Pela mesma altura, foi feita uma rusga a um outro apartamento onde foram confiscados registos de apostas em jogos de futebol e corridas de cavalos avaliadas em aproximadamente 100 milhões de dólares de Hong Kong (11,6 milhões de euros), a par com 410 mil dólares de Hong Kong (47,6 mil euros) em dinheiro vivo.

Onze pessoas, incluindo o presumível líder da rede, foram detidas no apartamento, onde também foram confiscados cinco computadores e 15 telemóveis.

A polícia suspeita que o centro de apostas estivesse a ser operado por membros de tríades há cerca de meio ano.

Antes, no mesmo dia, foram realizadas rusgas em três locais distintos que resultaram na apreensão global de registos de apostas em futebol no valor de 17,7 milhões de dólares de Hong Kong (2 milhões de euros).

Dois homens e uma mulher foram detidos, segundo o mesmo jornal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.