Entrem na história de Portugal!

A seleção nacional entra hoje (20.00) em campo para tentar conquistar o seu primeiro título internacional frente à França. A glória pode chegar ao jogo 580 da equipa das quinas, depois de Eusébio, Chalana e Figo terem estado tão perto. Está tudo nos pés de CR7 e companhia

Chegou o dia! A seleção nacional entra esta noite (20.00 horas) no Stade de France, em Saint-Denis, arredores de Paris, para tentar conquistar o primeiro título internacional ao jogo 580 da sua história.

Para trás ficam 600 minutos de futebol no Euro 2016, durante os quais a equipa de Fernando Santos foi alvo de críticas pelo futebol pouco atrativo e alguns elogios pelo carácter de uma seleção que soube ultrapassar as adversidades. Com sorte em alguns momentos, é certo, mas foi essa sorte que faltou a Eusébio, Mário Coluna, António Simões, Fernando Chalana, Rui Jordão, Luís Figo, Rui Costa, Deco, entre muitos outros, que viram escapar a glória por entre os dedos.

Para chegar ao topo da Europa, Cristiano Ronaldo e companhia precisam de vencer a anfitriã França. A mesma França que em 1986, 2000 e 2006 fez chorar os portugueses e que Portugal nunca venceu em jogos oficiais. Mas há sempre uma primeira vez para tudo. Que o diga Fernando Santos, que desde 11 de outubro de 2014, dia em que perdeu (1-2) na estreia como selecionador no mesmo Stade de France, com a mesma França, conseguiu terminar com o jejum de triunfos com a Argentina e a Itália. Faltou a França, sim, com a qual perdeu duas vezes em particulares, mas pode muito bem ter deixado o borrego na engorda para que hoje seja feita a matança...

Aliás, antes desse primeiro jogo como selecionador, Fernando Santos avisou os jogadores que ali iriam voltar um ano e nove meses depois para jogar e ganhar a final do Euro 2016. Foi por isso que o técnico de 61 anos afirmou, ainda durante a fase de grupos, que só regressaria a casa no dia 11 de julho. Afinal, o engenheiro vai mesmo cumprir o prazo. O regresso será no dia marcado, falta saber se irá encontrar um povo mergulhado na euforia pela conquista do título.

A vitória na final de hoje deixará ainda a sorrir os responsáveis da Federação Portuguesa de Futebol, que podem fazer o maior encaixe de sempre em prémios numa fase final: 25,5 milhões de euros. Além disso, pode projetar Cristiano Ronaldo e Renato Sanches para os prémios de melhor jogador e melhor jovem, respetivamente, do Euro 2016, sendo ambos por certo pedras essenciais na possível participação na Taça das Confederações em 2017. Como se vê, ganhar só dá lucro. Vamos a eles!

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG