CAMPEÕES. "Portugal e os portugueses são os melhores do mundo"

O selecionador viu cumprida a sua profecia e encheu de orgulho o coração do povo que hoje o irá receber em festa, como tinha prognosticado ainda na fase de grupos

"Só volto no dia 11 a Portugal e serei recebido em festa", ousou Fernando Santos afirmar, em resposta aos críticos, ainda a equipa portuguesa não tinha garantido a qualificação para a segunda fase da prova. Uma profecia que muitos julgavam impossível ver cumprida e que será comprovada hoje mesmo, dia 11 de julho 2016, quando os novos campeões europeus forem recebidos em solo nacional com a pompa que o feito merece.

Fernando Santos leu uma mensagem de agradecimento que disse já ter escrito há um mês, no seu quarto. "Quero deixar uma palavra especial ao presidente [Fernando Gomes] pela confiança que depositou em mim. Não esqueço que comecei com um castigo de oito jogos. Obrigado aos jogadores, tanto aos que estiveram em França como aos que não puderam estar. Tenho um orgulho enorme em tê-los treinado. O meu desejo pessoal é ir para casa, dar um beijo do tamanho do mundo à minha mãe, mulher, filhos, ao meu neto, genro, à minha nora e ao meu pai, que, onde quer que esteja, estará seguramente a celebrar", destacou.

Uma das homenagens mais sentidas foi para o povo português. "Esta foi uma vitória de Portugal e de todos os que nos acompanharam sempre. No caminho para Paris passámos por pontes e pontes repletas de portugueses. Isto enche-nos a alma e os portugueses são um povo de alma. Infelizmente, nem sempre são um povo que acredita. Mas Portugal e os portugueses são os melhores do mundo", salientou Fernando Santos.

Os agradecimentos não se ficaram por aí. No final da conferência, o engenheiro leu mesmo uma mensagem em grego. "Obrigado a todos os gregos, estão sempre no meu coração", agradeceu, depois de justificar: "Foi lá que aprendi a treinar uma seleção."

Éder adivinhou

O selecionador português não é o único elemento da comitiva com dotes de profeta. Segundo revelou Fernando Santos, o herói da final adivinhou mesmo que iria marcar o golo da vitória. "Tinha pensado que este jogo poderia ser importante para o Éder. Não estava a contar com a lesão do Ronaldo, claro... Nessa altura, a minha primeira aposta foi manter o Nani. Depois entendi que o Éder era o jogador que tinha de entrar. Ele disse que ia marcar e marcou. O patinho feio tornou-se bonito. Está de parabéns", revelou o treinador.

O técnico campeão também não se esqueceu de Cristiano Ronaldo. "O esforço dele foi fantástico. Tentou duas vezes, mas não conseguiu. Na cabina foi tremendo e no banco também, foi um capitão fantástico, pela forma como os incentivou. Representa muito bem o espírito deste grupo", frisou, realçando que "ficou algo por mostrar" a Payet no lance em que o madeirense se magoou com gravidade.

A lesão de CR7 "obrigou a mudar a estratégia" mas não impediu os portugueses de festejar no final. "Ao intervalo disse-lhes que o jogo ia ser nosso. Teríamos de passar a ter mais bola, obrigá-los a correr e decidir o jogo na hora certa", contou. "Acho que ganhámos por mérito próprio. Desta vez não digam que foi por demérito dos outros", atirou Fernando Santos, sorrindo.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG