Mais um empate na preparação para a Rússia

Ficou tudo a zeros o penúltimo teste da seleção nacional, em Bruxelas, com a Bélgica. Segue-se a Argélia

A seleção nacional empatou 0-0, em Bruxelas, com a Bélgica, naquele que foi o penúltimo teste de Fernando Santos antes do pontapé de saída no Mundial2018, que se inicia a 14 de junho na Rússia.

A equipa das quinas começou mal a partida, face ao grande volume ofensivo da equipa belga, que tinha em Eden Hazard um diabo à solta. Só que passados os primeiros 20 minutos, Portugal equilibrou a partida e surgiu mais ofensivo, criando várias situações de perigo por Bernardo Silva, Gelson Martins e Gonçalo Guedes, valendo aos belgas a atenção do guarda-redes Courtois.

No segundo tempo, o jogo caiu um pouco de ritmo à medida em que foram feitas as substituições, tendo brilhado o guarda-redes Beto que por duas vezes negou o golo à Bélgica, embora a seleção nacional também tenha ameaçado.

Depois do empate a duas bolas com a Tunísia, agora foi nova igualdade na Bélgica. Segue-se o último teste, na quinta-feira, com a Argélia, no Estádio da Luz.

Eis as equipas que iniciaram a partida:

Bélgica: Courtois; Meunier, Alderweireld, Kompany, Vertonghen; Ferreira-Carrasco, Dembele, De Bruyne, Eden Hazard; Mertens, Romelu Lukaku

Portugal: Beto; Cédric Soares, Pepe, José Fonte, Raphaël Guerreiro; William Carvalho, João Moutinho, João Mário; Bernardo Silva, Gonçalo Guedes, Gelson Martins.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).