Mais um empate na preparação para a Rússia

Ficou tudo a zeros o penúltimo teste da seleção nacional, em Bruxelas, com a Bélgica. Segue-se a Argélia

A seleção nacional empatou 0-0, em Bruxelas, com a Bélgica, naquele que foi o penúltimo teste de Fernando Santos antes do pontapé de saída no Mundial2018, que se inicia a 14 de junho na Rússia.

A equipa das quinas começou mal a partida, face ao grande volume ofensivo da equipa belga, que tinha em Eden Hazard um diabo à solta. Só que passados os primeiros 20 minutos, Portugal equilibrou a partida e surgiu mais ofensivo, criando várias situações de perigo por Bernardo Silva, Gelson Martins e Gonçalo Guedes, valendo aos belgas a atenção do guarda-redes Courtois.

No segundo tempo, o jogo caiu um pouco de ritmo à medida em que foram feitas as substituições, tendo brilhado o guarda-redes Beto que por duas vezes negou o golo à Bélgica, embora a seleção nacional também tenha ameaçado.

Depois do empate a duas bolas com a Tunísia, agora foi nova igualdade na Bélgica. Segue-se o último teste, na quinta-feira, com a Argélia, no Estádio da Luz.

Eis as equipas que iniciaram a partida:

Bélgica: Courtois; Meunier, Alderweireld, Kompany, Vertonghen; Ferreira-Carrasco, Dembele, De Bruyne, Eden Hazard; Mertens, Romelu Lukaku

Portugal: Beto; Cédric Soares, Pepe, José Fonte, Raphaël Guerreiro; William Carvalho, João Moutinho, João Mário; Bernardo Silva, Gonçalo Guedes, Gelson Martins.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.