"Dou a minha palavra de honra que nunca pagámos nada pela porta do cavalo"

Ex-presidente da Federação Portuguesa de Futebol desmente ao DN o alegado mail revelado por Francisco J. Marques no qual Domingos Soares Oliveira garantia que o dirigente tinha acordado pagar mais 50 mil euros relativamente à cedência da Luz para um jogo da seleção

No programa Universo Porto da Bancada, emitido nesta terça-feira no Porto Canal, o diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, mostrou um alegado mail datado de 21 de setembro de 2009 enviado por Domingos Soares de Oliveira a Paulo Gonçalves no qual referia que "GM vai pagar pela porta do cavalo 50k" relativo a um jogo da seleção nacional com a Hungria no Estádio da Luz.

Realce-se que para Francisco J. Marques GM é Gilberto Madaíl, à época presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF). Pois bem, o antigo dirigente, contactado pelo DN, nega veementemente qualquer pagamento feito à margem da lei.

"Nós nunca pagámos nada no meu tempo pela porta do cavalo, as contas foram sempre auditadas por um auditor externo e aprovadas por unanimidade. Um jogo num estádio do Euro oscilava entre os 150 mil e os 175 mil euros. Admito que por ser o estádio com mais lotação que possa ter excedido um bocadinho esse patamar, mas o que quer que tenha sido acordado ficou tudo contratualizado. Nada pela porta do cavalo, sob minha palavra de honra", começa por dizer Gilberto Madaíl.

O antigo dirigente explica que não faz "a mínima ideia do que é que o Dr. Domingos Soares Oliveira se está a referir". E complementa: "Comigo foi sempre tudo feito às claras. Não havia porta do cavalo, nem porta do burro. Garanto, pela felicidade dos meus filhos, que nunca fizemos nenhum pagamento pela porta do cavalo. Não tínhamos sacos azuis nem nada disso."

A finalizar, Gilberto Madaíl deixa um convite ao seu sucessor: "Há na Cidade do Futebol cópia dos contratos que fizemos. Se o Dr. Fernando Gomes quiser pode mostrar."

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...