"Dou a minha palavra de honra que nunca pagámos nada pela porta do cavalo"

Ex-presidente da Federação Portuguesa de Futebol desmente ao DN o alegado mail revelado por Francisco J. Marques no qual Domingos Soares Oliveira garantia que o dirigente tinha acordado pagar mais 50 mil euros relativamente à cedência da Luz para um jogo da seleção

No programa Universo Porto da Bancada, emitido nesta terça-feira no Porto Canal, o diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, mostrou um alegado mail datado de 21 de setembro de 2009 enviado por Domingos Soares de Oliveira a Paulo Gonçalves no qual referia que "GM vai pagar pela porta do cavalo 50k" relativo a um jogo da seleção nacional com a Hungria no Estádio da Luz.

Realce-se que para Francisco J. Marques GM é Gilberto Madaíl, à época presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF). Pois bem, o antigo dirigente, contactado pelo DN, nega veementemente qualquer pagamento feito à margem da lei.

"Nós nunca pagámos nada no meu tempo pela porta do cavalo, as contas foram sempre auditadas por um auditor externo e aprovadas por unanimidade. Um jogo num estádio do Euro oscilava entre os 150 mil e os 175 mil euros. Admito que por ser o estádio com mais lotação que possa ter excedido um bocadinho esse patamar, mas o que quer que tenha sido acordado ficou tudo contratualizado. Nada pela porta do cavalo, sob minha palavra de honra", começa por dizer Gilberto Madaíl.

O antigo dirigente explica que não faz "a mínima ideia do que é que o Dr. Domingos Soares Oliveira se está a referir". E complementa: "Comigo foi sempre tudo feito às claras. Não havia porta do cavalo, nem porta do burro. Garanto, pela felicidade dos meus filhos, que nunca fizemos nenhum pagamento pela porta do cavalo. Não tínhamos sacos azuis nem nada disso."

A finalizar, Gilberto Madaíl deixa um convite ao seu sucessor: "Há na Cidade do Futebol cópia dos contratos que fizemos. Se o Dr. Fernando Gomes quiser pode mostrar."

Exclusivos