De derrota em derrota, aumenta a agonia dos Lakers no adeus a Kobe

Espiral de derrotas da equipa de Los Angeles não tem fim: foram 75 nos últimos 100 jogos e já ameaçam bater mínimo histórico

"Batam na madeira para que o Kobe Bryant esteja bem fisicamente na próxima época. Seria muito importante para a equipa, os nossos jovens poderiam aprender com o melhor", dizia, em abril, o treinador Byron Scott, depois de conduzir os LA Lakers na pior época de sempre. Porém, as suas preces não foram ouvidas: Bryant já foi obrigado a parar - para gerir o esforço - e, na temporada do seu provável adeus à NBA, a equipa de Los Angeles segue de derrota em derrota, ameaçando bater mais um mínimo histórico.A hecatombe traduz-se em números redondos: 75 desaires nos últimos cem jogos.

O jogo de terça-feira em Miami (madrugada de ontem em Portugal) serviu, de certa maneira, para acabar com as ilusões dos adeptos dos Lakers. Não só a equipa continua enredada numa espiral de derrotas como a sua única estrela, o veterano Bryant, é incapaz de cumprir o desejo declarado de fazer todos os 82 jogos da fase regular, em vésperas de dizer adeus ao basquetebol profissional - "se me perguntassem hoje, diria que este será o meu último ano. Mas nunca se sabe... logo se vê", afirmou o base, na semana passada.

A visita aos Heat terminou com mais um desaire -101-88, com os Lakers a "desaparecerem" do jogo após o intervalo (50-49). E o base, de 37 anos, não saiu do banco, com queixas de dores nas costas: nada de grave, apenas o "desgaste de 20 anos de jogo", esclareceu. Sem ele, nem outras soluções em campo, a equipa de Los Angeles continuou em agonia e somou a sexta derrota da época, num registo (apenas uma vitória, contra os frágeis Brooklyn Nets) que a mantém no fundo da Conferência Oeste da NBA, só à frente dos Sacramento Kings (1-7) - a Este, Philadelphia 76ers e Brooklyn Nets ainda não venceram.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG