De abril a junho: os episódios da crise do Sporting

A atual crise no Sporting começou na madrugada seguinte à derrota da equipa principal de futebol do clube no jogo dos quartos-de-final da Liga Europa, frente ao Atlético de Madrid. E não tem fim à vista

Quando começou a atual crise do Sporting?

A 5 de abril, a equipa de futebol perdeu (2-0) frente ao Atlético de Madrid, em jogo a contar para a primeira mão dos quartos-de-final da Liga Europa. Descontente com a exibição, Bruno de Carvalho publicou um post no Facebook onde criticou a exibição de alguns dos jogadores, nomeadamente Coates e Mathieu.

Os jogadores reagiram?

Sim. A 6 de abril, Rui Patrício e William Carvalho (os dois capitães da equipa) publicaram uma mensagem, que praticamente todo o plantel divulgou depois, a defender o plantel. Entre outras frases escreveram: "Apontar o dedo para culpabilizar o desempenho dos atletas publicamente, quando a união de um grupo se rege pelo esforço conjunto, seja qual for a situação que estejamos a passar, todos os assuntos resolvem-se dentro do grupo." No dia seguinte, em que o Sporting jogou com o Paços de Ferreira em Alvalade (2-0), Bruno de Carvalho viu lenços brancos e ouviu assobios. E saiu do banco de suplentes com uma alegada dor de costas. Neste dia o treinador Jorge Jesus salientou que esteve sempre ao lado dos jogadores.

Depois desta vitória os ânimos acalmaram?

Antes pelo contrário. A 13 de maio, o Sporting jogou na Madeira, com o Marítimo, e perdeu 2-1. Este jogo era essencial para o clube conseguir o segundo lugar e a presença no play-off da Liga dos Campeões. No regresso, ainda no aeroporto Cristiano Ronaldo, um grupo de adeptos, incluindo o antigo líder da Juventude Leonina Fernando Mendes, tentou agredir os atletas, o que foi evitado pelos agentes da PSP. Já em Lisboa, a equipa foi recebida com insultos e na garagem do Estádio de Alvalade houve tentativas de agressões a Rui Patrício e a William Carvalho.

As polémicas em Alvalade envolveram apenas o futebol?

A 15 de maio o Correio da Manhã noticia a existência de um alegado esquema de corrupção envolvendo o andebol do Sporting, que terá subornado jogadores para ser campeão nacional. Um dos envolvidos era o team manager do clube, André Geraldes, que foi detido com mais quatro pessoas. O clube negou esta situação.

O ataque aos jogadores em Alcochete

A 15 de maio, um grupo de 50 adeptos do Sporting entrou no Centro de Estágio do Sporting, em Alcochete. Muitos com a cara tapada, entraram nos balneários e agrediram futebolistas como Bas Dost, Misic, Battaglia, Acuña e o treinador Jorge Jesus. O Sporting emitiu um comunicado a repudiar as agressões e, mais tarde, na Sporting TV, Bruno de Carvalho disse que a situação "foi chata". Expressão que lhe valeu muitas críticas. Ao início da noite, a GNR identificou e deteve 23 elementos do grupo que nos dias seguintes foram presentes a tribunal tendo ficado em prisão preventiva.

Que consequências teve no plantel este ataque?

Durante uma semana, a que antecedeu a final da Taça de Portugal com o Desportivo das Aves, o plantel do Sporting não treinou por não estarem reunidas as condições físicas e psicológicas. Os jogadores acabaram por divulgar um comunicado onde garantiram que estariam presentes na final da segunda competição mais importante do futebol profissional. O ataque ao plantel foi, entretanto, condenado por várias personalidades, incluindo o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, que frisou ter de existir "medidas sérias doa a quem doer, ao nível do Sporting, da federação e do Governo português". Bruno de Carvalho respondeu que a segunda mais alta figura do Estado não tinha a "mínima noção do cargo que ocupa" e disse que ia processar Ferro Rodrigues.

As ameaças de despedimentos que não aconteceram

Depois de nos dias e semanas anteriores, o presidente, agora destituído, Bruno de Carvalho, ter ameaçado jogadores e treinadores com o despedimento - o que mais tarde diria não ser verdade - foi o presidente da Mesa da Assembleia Geral, Jaime Marte Soares, a convocar uma reunião dos órgãos sociais e mais tarde uma Assembleia Geral para destituir o presidente.

A final da Taça de Portugal.

Com os ânimos muito exaltados, o plantel do Sporting jogou com o Desportivo de Aves a final da Taça de Portugal. Bruno de Carvalho não esteve no Estádio do Jamor e, por isso, não presenciou no estádio a derrota da equipa, por 2-1.

As ameaças de rescisões

Depois de terminada a competição aumentam as noticias sobre eventuais rescisões de contrato por parte dos jogadores. Entretanto, a 21 de maio, os membros do Conselho Diretivo, da Assembleia Geral e do Conselho Fiscal e Disciplinar reúnem-se durante duas horas, mas sem tomar decisões.

Várias comissões e decisões judiciais

Depois de a Mesa da Assembleia Geral ter anunciado a constituição de uma comissão de fiscalização para exercer, de forma transitória, as funções do Conselho Fiscal e Disciplinar, entretanto demissionários, Bruno de Carvalho anunciou que a MAG não tem competências pois já se tinha demitido.

Rescisões avançam

No primeiro dia de junho, surge a primeira carta de rescisão alegando justa casa: é de Rui Patrício, que na altura já estava ao serviço da seleção que preparava a presença no Mundial de 2018, na Rússia. Seguiram-se mais oito: Daniel Podence, Bruno Fernandes, William Carvalho, Gelson Martins, Bas Dost, Rúben Ribeiro, Battaglia e Rafael Leão.

As várias assembleias marcadas e a que se realizou

Alegando não reconhecer a legalidade da assembleia geral marcada para 23 de junho pela MAG - para votar a destituição do presidente do clube - Bruno de Carvalho marcou para dia 17 e dia 30, esta para apresentar o orçamento. Depois de várias decisões judiciais, a única assembleia geral que ficou certa foi a de dia 23.

Processo a Bruno de Carvalho

O Conselho de Fiscalização decidiu abrir um processo disciplinar que pode levar à expulsão de Bruno Carvalho de sócio. Depois desta decisão o então presidente disse que não iria à assembleia de dia 23, onde se votava a sua destituição, pois estaria impedido de o fazer. No entanto, compareceu mesmo, votou, mas não lhe foi permitido falar aos sócios presentes pois já teria passado o período de intervenções.

Novo treinador

À parte das questões jurídicas e institucionais relacionadas com a vida e futuro do clube, Bruno de Carvalho já tinha contratado Augusto Inácio para diretor para o futebol e o sérvio Sinisa Mihajlovic como treinador.

A assembleia geral em que 70% votaram pela saída de Bruno de Carvalho

No sábado passado (23 de junho) realizou-se mesmo a assembleia geral onde os sócios do Sporting votaram pela destituição do presidente. De acordo com os dados oficiais votaram 14 615 sócios, com os resultados a serem de 71% pela saída de Bruno de Carvalho e 28,64 pela sua continuidade.

A mudança de ideias

Na madrugada de domingo, Bruno de Carvalho publicou no Facebook um post onde dizia que iria deixar de ser sócio e sportinguista. Depois, na tarde de domingo, garantiu na sua página que afinal iria impugnar a assembleia geral e que iria candidatar-se às eleições marcadas para 8 de setembro.

Sousa Cintra impedido de entrar em Alvalade

A comissão nomeada por Jaime Marta Soares para gerir o clube até às eleições nomeou o antigo presidente do Sporting, Sousa Cintra, para a liderança da SAD para o futebol. No entanto, esta segunda-feira de manhã, Sousa Cintra terá sido impedido de entrar nas instalações da Sociedade Anónima.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.