Daniel Candeias prolonga contrato com o Rangers até 2020

O futebolista português prolongou o vínculo contratual com o Rangers até 2020, anunciou esta quarta-feira o clube escocês de Glasgow.

Daniel Candeias, de 30 anos, chegou ao Rangers em 2017 e até ao momento participou em 36 jogos do atual segundo classificado da Liga escocesa, a nove pontos do líder Celtic. O extremo marcou seis golos e fez seis assistências.

O Rangers destaca a forma "quase telepática" como o extremo Daniel Candeias joga na ala direita com o lateral James Tavernier, que também prolongou contrato, tal como Wes Foderingham, Josh Windass e Alfredo Morelos.

Candeias, jogador internacional pelas camadas jovens portuguesas, iniciou a sua carreia sénior ligado ao FC Porto, em 2007, tendo sido sucessivamente emprestado ao Varzim, Rio Ave, Recreativo Huelva (Espanha) e Paços de Ferreira.

Em 2010, após terminado o vínculo contratual com o FC Porto, Daniel Candeias assinou com o Nacional, até 2014, sendo emprestado ao Portimonense (2010/11). Pela formação insular, o extremo participou em 85 jogos, tendo marcado 13 golos.

O futebolista despertou o interesse do Benfica, que o contratou em 2014, mas não chegou a envergar a camisola do clube, dado que foi emprestado sucessivamente ao Nuremberga (Alemanha), Granada (Espanha), Metz (França) e Alanyaspor (Turquia).

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.