Cova da Piedade em festa pela subida que "ninguém esperava"

Direção tinha duas metas: manutenção e controlo das finanças. "Mas os adversários distraíram-se", diz o presidente, e o clube garantiu subida inédita às divisões profissionais (II Liga)

A hora de almoço já lá ia e a sede do Clube Desportivo da Cova da Piedade estava cheia de sorrisos largos entre os mais de 40 sócios que ontem subiram a escadaria até ao primeiro andar. Uns bebiam café, outros liam o jornal, alguns "batiam" as cartas e também se jogava snooker. Mas até o menos atento percebia que o dia era especial. As conversas, em alto e bom som, iam desaguar irremediavelmente no êxito da equipa de futebol. A mesma que há três épocas estava nos distritais de Setúbal e que no fim de semana passado conquistou a subida à II Liga, pela primeira vez na história, garantindo o primeiro lugar na zona sul do Campeonato de Portugal.

"Ainda estamos a festejar. Ninguém estava à espera disto, sabe? Até tenho um bocado de receio da liga profissional, mas agora vamos viver o momento", justificava Albino Francisco, sócio quase desde a primeira hora, após a fundação em 1947. É considerado entre os seus pares como um dos sócios mais moderados, mas nem ele esconde a emoção com que assistiu no sábado aos golos de Filipe Falardo e Filipe Godinho que garantiram a vitória sobre o Angrense.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG