Como os melhores atletas do país olham para a seleção na Rússia

Ricardinho (futsal), Telma (judo), João Sousa (ténis), Patrícia Mamona (triplo salto), Madjer (futebol de praia), Frederico Morais (surf), João Pereira (triatlo) e Fernando Pimenta (canoagem) aceitaram o desafio do DN identificaram aquele que daria um bom atleta nas várias modalidade.

Habituados a representar Portugal ao mais alto nível, oito dos melhores atletas portugueses querem ver a seleção nacional brilhar no Mundial 2018.

Ricardinho (futsal), Telma (judo), João Sousa (ténis), Patrícia Mamona (triplo salto), Madjer (futebol de praia), Frederico Morais (surf), João Pereira (triatlo) e Fernando Pimenta (canoagem) aceitaram o desafio do DN de responder a três perguntas.

1- Um desejo, uma mensagem ou um pedido para a seleção nacional no Mundial 2018... 2- Se fosse um dos 23 eleitos, quem seria e porquê... 3- Qual dos 23 daria um bom atletas nas suas modalidades. E as respostas foram surpreendentes. Bernardo dava um bom jogador de futsal, Quaresma um bom judoca e Ronaldo encaixava bem no futebol de praia, no ténis, no triatlo e no triplo salto...

LEIA AS RESPOSTAS

Ricardinho (futsal)

1. Sejam felizes, divirtam-se e representem-nos bem! Desejo sinceramente que consigam tocar o céu e chegar a essa final!

2. (Não respondeu).

3. Bernardo Silva tem um toque de bola incrível! Joga sempre de cabeça levantada e consegue ver várias linhas de passe com bastante facilidade. Sem dúvida que daria um excelente jogador de futsal!

Telma monteiro (judo)

1. Desejo que a seleção faça história. Porque cada vitória deles é uma vitória e alegria de todos nós. Da minha parte mando muita energia positiva e muita garra! E, claro, toda a sorte!

2. Sem dúvida, o Cristiano Ronaldo! Identifico-me com a sua ambição, capacidade de trabalho e mentalidade positiva, sempre à procura de mais.

3. O Quaresma seria um bom judoca, pela estrutura do corpo, é ágil, solto, se fosse criativo no judo como é com a bola seria de certeza muito forte.

João Sousa (ténis)

1. O que desejo é que Portugal traga para casa o troféu de campeão do mundo. Eu, como todos os portugueses, estamos à espera disso, sendo campeões da Europa e tendo um conjunto com muito nível, talentoso e motivado. Eu acredito.

2. Todos os 23 têm uma qualidade enorme na posição que desempenham. Talvez me identifique mais com o Cristiano.

3. Teria de ver mais características deles para avaliar melhor. Sendo eles atletas de excelência, penso que qualquer um dava um bom jogador de ténis. Já vi que o Cristiano gosta muito de jogar e o João Moutinho também...

Frederico morais (surf)

1. O único pedido que faço é que deixem tudo o que têm em campo, apesar de saber que isso vai acontecer! Não podia ter mais orgulho nas pessoas que levam a bandeira às costas pelo mundo.

2. Seria o Cristiano. Pelo exemplo que é como desportista, pelo que representa para o desporto português e porque sou um grande admirador do CR7.

3. Todos eles! São grandes desportistas e, como qualquer atleta, um desafio novo é sempre bem-vindo. Tenho a certeza de que todos eles iriam pôr-se de pé na prancha!

Patrícia Mamona (triplo salto)

1. O meu desejo é ver a nossa bandeira no topo, por isso desejo muita força e sorte à nossa seleção para este Mundial.

2. O Ronaldo ou o Rui Patrício. O Cristiano, porque é o melhor jogador e, como é óbvio, eu queria ser essa pessoa. Também tenho uma admiração grande pelo nosso guarda-redes, porque quando vamos para a "guerra" não só temos de lutar pelo que queremos como temos de defender aquilo que é nosso... e a vitória é nossa!

3. Talvez o Ronaldo, quem é que não viu aquele pontapé de bicicleta magnífico... Ele consegue saltar, tem bom controlo corporal, tem boa impulsão, é rápido, todas características muito importantes para ser um bom saltador de triplo.

Madjer (futebol de praia)

1. Já sabem qual o segredo do sucesso após o Euro 2016, agora é manter, sabendo que têm uma nação que vos irá apoiar sempre! Boa sorte, heróis do mar.

2. Seria um dos 23 com ambição e orgulho em representar o nosso país!

3. É sempre complicado analisar, tendo em conta que temos muita qualidade em todas as vertentes, mas no futebol de praia a bicicleta do Ronaldo encaixava que nem uma luva!

Fernando Pimenta (canoagem)

1. Espero que consigam trazer o ambicionado título para Portugal e que desfrutem de cada momento, de cada jogo como se fosse o último das vossas vidas. Que mantenham a união em todos os momentos, mais ainda nos de maior cansaço. Eu acredito!

2. Acho que seria o Ronaldo, creio que em temos bastantes semelhanças: a personalidade, a forma de encarar os desafios ou dificuldades e como trabalhamos.

3. Claramente o CR7, pois reúne todas as características necessárias para se conseguir ter boas performances na canoagem, para além de ser muito disciplinado, ambicioso e lutador.

João Pereira (triatlo)

1. Acreditem. As possibilidades são imensas. Nunca baixem os braços, mesmo quando o cenário possa parecer adverso. Eu e os portugueses estamos todos convosco e acreditamos na vossa força e vontade de vencer.

2. O Rui Patrício. Joga numa posição em que está obrigado a decidir rapidamente.

3. O Cristiano Ronaldo, porque o triatlo é uma modalidade que exige muita dedicação nos treinos e perseverança.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.