Caso dos e-mails: "O melhor ainda está para vir" e a "bruxaria" do Benfica

Diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, disse ainda que clube da luz gastou dinheiro "em bruxaria"

O diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, desmentiu, esta terça-feira, em mais um programa "Universo Porto", do Porto Canal, que os dragões tivessem sido alvo de buscas ou intimados a entregar documentação, apelando à Procuradoria-Geral da República um esclarecimento público. E avisou: "O melhor ainda está para vir."

"Não fomos intimados, nem fomos alvo de buscas. Quem tem a obrigação de esclarecer é a Procuradoria Geral da República. Está assistir-se a uma situação de contrainformação, o FC Porto a dizer que não foi alvo de buscas, entregou voluntariamente. Nessa altura combinou-se um encontro presencial, foi perguntado se o FC Porto estava disponível e entregou-se tudo. O Benfica pôs a correr que o FC Porto estava a mentir, que tinha sido intimado. Isto é uma coisa patética, a PGR tem a obrigação de esclarecer os cidadãos. Há uma outra entidade que diz o contrário. A PGR que esclareça, tem um departamento de comunicação, não custa nada, fica feito o apelo que se acabe com esta mistificação, se não até parece que se está a simpatizar com um dos lados", garantiu Francisco J. Marques.

O diretor de comunicação do FC Porto disse depois que não calculava as proporções do caso: "Não imaginava que isto atingisse estas proporções. Hoje estou capaz de dizer que isto é o maior escândalo do futebol português. Já expusemos muita coisa. O melhor ainda está para vir."

E mostrou um e-mail, alegadamente, de Carlos de Deus Pereira, antigo presidente da Liga, para Pedro Guerra, supostamente com ficheiros que continham os sms privados de Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol.

"Bruxaria: Contrato por objetivos"

E depois de revelar mais e-mail sobre um alegado esquema de corrupção e tráfico de influências movido pelo Benfica, Francisco J. Marques divulgou um contrato por objetivos, celebrado entre o General Doutor Armando Nhaga, Comissão Nacional da Polícia da Guiné-Bissau, com o aval de Luís Filipe Vieira.

"Dia 13 de fevereiro enviou um e-mail a Luís Filipe Vieira pedindo a assinatura do acordo antes dos jogos com o Borussia Dortmund, para a Liga dos Campeões. Vieira responde 'ok'. No dia seguinte houve um novo email com a proposta de acordo e descrição dos preços dos serviços:

5.000 euros - Vitória na Supertaça

100.000 euros - Vitória no Campeonato

10.000 euros - Vitória em cada jogo da Fase de Grupos da Liga dos Campeões

30.000 euros - Vitória em cada jogo a eliminar da Liga dos Campeões

1.000 euros - Vitória em cada jogo da Taça de Portugal ou Taça da Liga

5.000 euros - Vitória na final da Taça de Portugal ou Taça da Liga

Ora alguns dias depois o Benfica perdeu 4-0 na Alemanha e no dia seguinte, 9 de março, Luís Filipe Vieira enviou um e-mail ao Nhaga a perguntar o que se tinha passado. A resposta foi 'deriva da minha ausência da Guiné. Quem estava a tratar disso não o fez no devido momento. O Mestre em Lisboa ficou à espera da comunicação e quando o fizeram já era tarde."

Como conclusão, Francisco J. Marques revelou tudo se tratava de um novo esquema. "Estamos a falar de bruxaria. Com contrato por objetivos. Foram muitos mil euros que o Benfica pagou. Em 2015/16 o Benfica gastou 75 mil euros pelo campeonato. Isto põe em causa o treinador, os jogadores, mas também o Paulo Gonçalves, o Pedro Guerra. Anda-se a criar um polvo para quê? Cria-se este monstro que tudo permite ao Benfica e nada aos outros e depois faz-se bruxaria? Isto é o backup do polvo."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG