Canelas 2010 batido pelo único adversário que não o boicotou

O CD Candal decidiu ir a jogo e venceu por 2-0 na visita à equipa conhecida por ter vários membros dos Super Dragões

O Canelas 2010 voltou a jogar dois meses e meio depois da última partida na Série 1 do Campeonato de Elite da Associação de Futebol de Porto (AFP) e perdeu por 2-0 na receção ao Candal.

Alvo do boicote de 12 dos 13 clubes que com ele integram a Série 1 daquela prova, a equipa de Gaia já não jogava desde o empate 0-0 com o Padroense, a 23 de novembro de 2016, somando 11 jogos sem competição.

Na receção ao Candal, o clube anfitrião começou por oferecer uma camisola à formação visitante, mas, durante o jogo, a AFP foi visada pelos adeptos locais que exibiram uma faixa com a frase "AF Porto!!! Vergonha nacional".

Ben (41 minutos) e Organista (87) marcaram os golos de uma partida que teve nove cartões amarelos e um vermelho.

No final do jogo, o presidente do Canelas 2010 - cujos 11 triunfos por falta de comparência dos adversários já lhe valeram o apuramento para a segunda fase distrital de promoção ao Campeonato de Portugal (terceiro escalão) - disse "ter a garantia" que os clubes apurados na Série 2 vão comparecer aos jogos.

"Tenho a garantia de que vão comparecer aos jogos da segunda fase", afirmou Bruno Canastro que, sem citar quais, acrescentou que "dois dos atuais clubes em boicote mostraram arrependimento pela decisão tomada".

Com oito jornadas ainda por disputar, o Canelas 2010 vai continuar a sua "pré-época", como definiu Bruno Canastro, até serem conhecidos os adversários e o calendário da próxima fase.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.