Bonucci e Chiellini, uma dupla de 70 anos para travar a Espanha

Itália e Espanha decidem hoje quem vai passar à final do Europeu. Dupla de centrais da azzurra joga junta há 11 anos. E já perdeu uma final de um Europeu (2012) para os espanhóis.

Jogam juntos há 11 temporadas, tanto na Juventus como na seleção italiana, e as idades de ambos somam 70 anos. Bonucci tem 34, Chiellini 36, e esta terça-feira vão formar uma vez mais a dupla de centrais da azzurra no jogo das meias-finais do Euro2020 diante da Espanha (20.00, TVI). Apesar da idade, são os homens de confiança do selecionador Roberto Mancini, que acumulam 324 jogos juntos (59 na seleção italiana), num total de 27 mil minutos.

"Conheço-o melhor do que à minha mulher", brincou há uns tempos Chiellini. Só Alderweireld e o benfiquista Vertonghen, ex-colegas de equipa no Ajax, no Tottenham e na seleção da Bélgica superam os números desta dupla italiana.

Desde o verão de 2010 que Bonucci e Chiellini partilham o mesmo balneário, a única exceção foi a época 2017-18, quando o primeiro se transferiu para o AC Milan, mas acabou por regressar a Turim na temporada seguinte.

Chiellini foi campeão do Mundo pela Itália em 2006, ao lado de Buffon, Totti, Del Piero, Pirlo, entre outros. E já com Bonucci como colega de seleção, ambos perderam a final do Europeu de 2012, precisamente numa final contra a Espanha que terminou 4-0 a favor dos espanhóis. Uma humilhação que hoje querem tentar vingar, no jogo que abre a uma das seleções as portas da final de Wembley.

Ambos chegam às meias-finais em forma e têm recebido vários elogios. "São os dois melhores centrais do Mundo neste momento", disse há dias o alemão Schweinsteiger, depois da magnífica exibição dos defesas diante da Bélgica, na partida dos quartos de final.

"A Espanha, além da sua história, mostrou que está a crescer. Merece o nosso respeito. Ambos temos um estilo e devemos ter cuidado com os seus movimentos sem a bola, será necessária muita atenção quando não tivermos a bola", anteviu esta segunda-feira Bonucci.

"Será um jogo difícil. A Espanha atua de forma diferente da Bélgica. Com a Áustria, nos oitavos, foi difícil para nós, porque eles são agressivos, impediram-nos de jogar. A Espanha é extraordinária. Agora, houve uma mudança de geração, mas são jovens muito fortes", disse por seu turno o selecionador Roberto Mancini, que não perdeu qualquer jogo nas últimas 32 partidas disputadas, e que nesta segunda-feira viu as câmaras da operadora espanhola Quatro filmar durante o treino um possível esboço da equipa que vai apresentar esta noite.

Já a Espanha vai tentar esta terça-feira garantir a quinta final de um Europeu (venceu três edições). "Quando se chega a uma meia-final o cansaço desaparece. Estamos concentrados no jogo com a Itália e na grande oportunidade que temos de chegar à final do Europeu. É um atrativo enorme, mas para o conseguirmos temos que estar a 100%. Temos tentado potenciar as virtudes dos nossos jogadores e temos conseguido criar um bom ambiente", disse o selecionador Luis Enrique.

nuno.fernandes@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG