Boavista arrisca jogar à porta fechada por insultos racistas

O Conselho de Disciplina instaurou um processo disciplinar aos axadrezados. O presidente João Loureiro contesta

O Boavista corre o risco de ter de fazer de um a três jogos à porta fechada, na sequência de um processo disciplinar instaurado pelo Conselho de Disciplina, por alegados comportamentos racistas dos adeptos do clube no decorrer do jogo com o Benfica, no último domingo.

Aquele organismo baseou-se no artigo 113 do Regulamento Disciplinar, relativo a "comportamentos discriminatórios em função da raça, religião ou ideologia".

O presidente dos axadrezados, João Loureiro, já veio contestar a abertura deste processo. "Se há questão que não admito que seja colocada, é a questão do racismo. Venho defender a honra e dignidade da instituição e dos adeptos, e solidarizar-me com eles", afirmou.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.