Vídeo: Benfica quer "colinho" para chegar ao título

Clube da Luz lança uma campanha chamada "colinho", para cativar o apoio dos adeptos, a sete jornadas do final da I Liga.

"Colinho é na bancada família." É este o mote dado pelo Benfica para uma nova campanha destinada aos adeptos, que visa aumentar o apoio à equipa treinada por Jorge Jesus, à entrada para as sete últimas jornadas da I Liga.

O nome não terá sido escolhido ao acaso, uma vez que "colinho" é uma expressão celebrizada por adeptos sobretudo de FC Porto e Sporting, em alusão a erros de arbitragem que já favoreceram as águias no decorrer do campeonato. Como forma de defesa, os adeptos do Benfica respondem com o facto de terem as maiores assistências do campeonato nas bancadas.

Decorridos 16 jogos no Estádio da Luz, o Benfica já contou com 627 730 espectadores, uma média de 39 233 por partida, segundo os dados divulgados pela Liga. O Sporting é segundo na lista, com 509 641 adeptos (média de 31 853), seguido pelo FC Porto, com um total de 490 287, média de 30 643.

O Benfica vai defrontar a Académica no sábado, na 28.ª jornada da I Liga, sabendo que se bater os "estudantes" ficará a apenas quatro vitórias de revalidar o título de campeão nacional, desde que esta série inclua um triunfo sobre o FC Porto, na 30.ª ronda do campeonato.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.