Rui Vitória anuncia que Jonas não joga no Estoril

O treinador do Benfica mostrou-se indignado com as críticas que lhe foram dirigidas após a derrota com o FC Porto

Jonas não está disponível, devido a lesão, para o jogo deste sábado no Estoril, a contar para a 31ª jornada da Liga. Quem o garantiu foi Rui Vitória, treinador do Benfica, na conferência de antevisão a esta partida. "O Jonas não está convocado", anunciou.

O técnico encarnado começou por se indignar com uma pergunta sobre se a ausência de Jonas prejudica o sistema de 4x3x3 implementado desde o jogo em Guimarães. "Temos alternativas, mas isto é giro. Quando mudámos o sistema, diziam que o Jonas não podia jogar sozinho na frente, agora já é o Jonas que tem as características ideais. Não há Jonas, vai estar outro jogador e se tivermos de jogar em 4x3x3 jogaremos, se tiver de ser com dois avançados será com dois avançados. Não há problema", atirou.

Outra questão que fez Rui Vitória levantar o tom de voz foi quando confrontado com as críticas devido às substituições que fez no clássico com o FC Porto. "As substituições valem o que valem nos jogos. Fizeram um trabalho a dizer que tínhamos 17 golos saídos do banco. Houve dois clássicos esta semana, um foi resolvido aos 90 minutos e elogiou-se o treinador que ganhou, na quarta-feira a diferença é que houve um golo aos 85 minutos e esse já não esteve bem. O futebol é fantástico. Antes as substituições deram golos e agora não deram, mas eu assumo o que fiz no último jogo. Tenho 48 anos de experiência, não 18", sublinhou.

Relativamente à forma como decorreu a semana de trabalho, Rui Vitória fez questão de dizer que foi "muito boa na reação a um resultado que não foi bom". "Há a noção da responsabilidade que temos pela frente e daquilo que já fizemos. Mas durante a semana não andámos a dar calmantes! Todos os jogadores trabalharam afincadamente. E estamos preparados. Se ganharmos o campeonato fazemos cinco títulos seguidos, quem não o ganhar faz cinco anos sem títulos e o outro faz 17. Só um vai ganhar e no final vai haver investimentos ruinosos e outros bem sucedidos. O que eu digo é que os meus jogadores estão preparados para o que aí vem", atirou, antes de deixar uma garantia: "Esta semana não fizemos sessões espirituais, nem sessões de remates à baliza, nem abraços e beijinhos. Fizemos exercícios adaptados àquilo que é o nosso próximo adversário."

De forma convicta realçou que "isto não acabou", pois "faltam quatro jornadas que é preciso ganhar". "Já estivemos muito atrás, estivemos à frente e agora estamos novamente atrás, mas estamos prontos para o que aí vem", sublinhou Rui Vitória que espera um Estoril "com ideias consolidadas que irá tentar criar problemas ao Benfica" e nesse sentido deixou a receita para ganhar: "Temos de ser uma equipa concentrada e consistente e a perceber onde o Estoril poderá ser mais permeável".

Eis os convocados do Benfica para o jogo com o Estoril:

Guarda-redes: Svilar, Bruno Varela;

Defesas: Grimaldo, Luisão, Eliseu, Jardel, André Almeida, Rúben Dias;

Médios: Fejsa, Samaris, Zivkovic, Salvio, Pizzi, Franco Cervi, Rafa Silva, Diogo Gonçalves, João Carvalho;

Avançados: Raúl Jiménez, Seferovic.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.