Nuno Gomes 'gritou de revolta' e reclama mais oportunidades

Mistura de sentimentos, ao recordar-se do pai e, simultaneamente, ao pensar no escasso tempo de utilização, desde o início da temporada, na equipa que é treinada por Jorge Jesus.

Nuno Gomes regressou no último domingo aos golos, no Estádio da Luz, na vitória clara por 4-0 do Benfica sobre a Naval (11.ª jornada da Liga), e necessitou apenas de três minutos - substituiu o médio--ofensivo argentino Gaitán ao minuto 86 da partida - para fechar, aos 89', o triunfo do Benfica diante do conjunto da Figueira da Foz, orientado por Rogério Gonçalves.

Emocionado, o capitão do Benfica, 34 anos, olhou e apontou para o céu, tendo dedicado o golo ao pai, que morreu recentemente vítima de doença. Ao mesmo tempo, deu um grito de revolta para si próprio, deitando deste modo para fora a insatisfação resultante do facto de raramente ter sido opção nos últimos tempos. Nuno Gomes quer ter, somente, mais oportunidades para mostrar que ainda pode ser muito útil aos encarnados.

Já o futuro profissional do avançado continua em aberto. Acaba contrato no final da época e tudo poderá acontecer... como terminar a carreira ou sair para um outro clube. No entanto, o carinho que nutre pelo Benfica e a confiança nas capacidades levam-no a pensar que poderá jogar pela equipa da Luz em 2011/2012. Em 12 minutos cumpridos na actual Liga, Nuno Gomes soma um golo.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.