Mitroglou assinou contrato até 2020

O Benfica exerceu o direito de opção de compra junto do Fulham no valor de 7 milhões de euros

O Benfica exerceu junto do Fulham o direito de opção de compra do passe do avançado Kostas Mitroglou, de 28 anos. O internacional grego assinou esta terça-feira contrato válido até 2020, tendo a SAD encarnada de pagar sete milhões de euros ao clube inglês, dividido em três parcelas, a última das quais vence a 1 de agosto de 2018.

Mitroglou foi uma das peças essenciais na conquista do tricampeonato, tendo marcado 20 golos na Liga. Formou uma excelente dupla com Jonas, uma vez que ambos contribuíram com 52 dos 88 golos marcados pelo Benfica no campeonato.

"Estou muito feliz. Era este o meu objetivo. Quero voltar a ganhar o campeonato na próxima época e vou tentar fazer mais golos", disse o grego em declarações à BTV.

"Todos os golos que a equipa marcou - e não só os meus - foram muito importantes. O golo que marquei no dérbi foi importante, porque com a vitória conseguimos passar para a frente do campeonato. Houve um período em que eles estiveram com oito pontos de vantagem sobre nós, mas sempre acreditámos e o treinador preparou-nos muito bem", acrescentou Mitroglou.

O avançado explicou ainda qual foi, na sua opinião, o segredo da conquista do título: "Nunca desistimos. Todas as equipas passam por fases menos boas, nós também passámos a nossa e nunca desistimos. O treinador preparou-nos muito bem, sabíamos que ia ser difícil e fizemos o nosso trabalho. Acreditámos até ao fim. Os dérbis e os clássicos são importantes, mas todos os jogos, todos os adversários o são e nós nunca desvalorizámos ninguém porque é desta forma, jogo a jogo que se ganham títulos."

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.