Luís Filipe Vieira pagou 537 mil euros a Jesus

O presidente do Benfica revelou esta noite em entrevista à TVI o valor do prémio pago ao treinador pela vitória no campeonato na época passada. E garantiu que põe as mãos no fogo por Jorge Jesus no caso Júlio César.

Luís Filipe Vieira concedeu esta segunda-feira à noite uma entrevista à TVI para tentar explicar as mais recentes polémicas no que diz respeito à transferência de Jorge Jesus. O presidente do Benfica diz que pelo técnico coloca as mãos no fogo e salienta também que nos 8,5 milhões de euros pagos pelo guarda-redes Roberto não estava incluído o prémio ao treinador pela conquista do campeonato.

"Como está aqui neste papel, o Benfica pagou 537 mil euros a Jorge Jesus. Está aqui tudo detalhado, de onde e para onde foi o dinheiro e pelo que sei o Benfica não é uma off-shore", começou por dizer o presidente, manifestando total confiança no técnico: "Mantenho a confiança em Jesus e espero que a PJ investigue. E se ele for constituído arguido continuarei a confiar nele e a manter toda a confiança no seu trabalho.".

No âmbito da transferência de Júlio César para o Benfica, Vieira salienta que não há nada a esconder. "O Benfica comprou um jogador [Júlio César] ao Belenenses por um milhão de euros, entregou as respetivas letras e não houve intervenção de mais alguém. Depois apareceu alguém que tinha alegadamente direito a receber uma percentagem. Nem sequer entendo porque o nome do Benfica foi chamado a esta situação", referiu, confirmando também que a PJ esteve na Luz, "há uns largos meses", a perguntar pelo contrato de Roberto.

"A PJ foi lá pedir o contrato do Roberto quando se fez um alarido grande sobre os valores da transferência. Foi tudo feito com legalidade. No jornalismo atiram as pessoas para a lama e sem razão de ser. A Polícia Judiciária foi lá pedir o contrato do Roberto e nós mostrámos. Está tudo definido, até porque o dinheiro deixa rasto", salientou.

Luís Filipe Vieira lançou também o desafio à Polícia Judiciária para investigar as transferências feitas nos últimos anos aos "dois primeiros classificados esta temporada", Benfica e...FC Porto.

"O que é mau é que a PJ entenda que existem coisas anormais. Deviam investigar todas as instituições, especialmente os primeiros classificados dos últimos 10 anos. Eu sei como vivo e que não recebo nada do Benfica, mas sei ver ao meu redor e há muita gente que vive às custas dos clubes. Sei que trouxe para o Benfica princípios e transparência completa. E quando o Fisco ou os nossos auditores nos investigam, acho isso um alívio", disse.

O presidente revelou também que Fábio Coentrão "estará dia 22 na Luz" e que a sair só pelo valor da cláusula, 30 milhões, "aí não podemos fazer nada", salientou. Quanto a um alegado desentendimento com Rui Costa foi peremptório: "Ainda hoje estivemos a trabalhar no plantel da próxima temporada ncom o Jesus. Não fomos muito competentes para ganhar, portanto vamos ter de melhorar muita coisa. Agora daí a pensarem que há uma divisão entre nós é diferente. Se calhar temos ambos de fazer outro tipo de trabalho nesta temporada. Este ano em que vamos entrar o Benfica terá de fazer uma abordagem diferente à equipa e fazer com que impere a humildade", afirmou.

Exclusivos