Jesus: "Fomos inteligentes e nos momentos decisivos fizemos a diferença"

O treinador do Benfica considerou que a sua equipa realizou um "jogo inteligente" frente à Académica e que nos "momentos decisivos fez a diferença" numa partida de futebol que "só se tornou fácil nos últimos 15 minutos".

Jesus fez um auto-elogio quando questionado sobre a decisão de deixar Javi Garcia, Gaitán e Aimar no "banco": "O jogo com o Manchester United foi muito desgastante. Eles fizeram-nos correr muito e eu sabia que esses três jogadores estavam mais cansados e que precisava de mexer na equipa. Ainda bem que o fiz, porque o jogo demonstrou que tomei a decisão certa".

Para o técnico "encarnado", o grande objectivo do Benfica "é o campeonato e não a Liga dos Campeões", razão pela qual considerou que o jogo com a Académica "era mais importante do que o jogo com o Manchester United".

"Os jogadores perceberam a importância deste jogo, fizeram o seu trabalho, focados na Académica, e nos momentos decisivos fizeram a diferença", disse Jesus, nada surpreendido com as dificuldades colocadas pelos "estudantes", que estão a fazer um excelente campeonato.

Mesmo assim, considerou "determinante o golo de Nolito" à beira do intervalo, que pôs o resultado a vencer 2-1, por ter "abalado a confiança" dos jogadores da Académica e "obrigado" esta a entrar na segunda parte "em busca do 2-2".

Para Jesus, é "muito difícil" para qualquer adversário defrontar o Benfica quando este "está em vantagem" no resultado, tendo em conta a "eficácia" da equipa nas "saídas para o ataque" quando o adversário é "convidado a subir no terreno e a assumir a iniciativa".

Em relação ao clássico de sexta-feira, frente ao FC Porto, Jesus desvalorizou a circunstância de o Benfica se deslocar ao Dragão em igualdade pontual: "Ir com os mesmos pontos ou com menos dois não iria modificar rigorosamente nada".

"A experiência diz-me que, nestes jogos entre Benfica e FC Porto, de grande carga emocional, não interessa quem vai em primeiro. Os níveis de adrenalina estão muito altos, a concentração é total e não é a posição na tabela que altera o comportamento dos jogadores", referiu.

Do lado da Académica, o técnico Pedro Emanuel considerou que o resultado "não é questionável", pelos quatro golos que os "estudantes" sofreram, embora afirmando que foi "enganador".

"O resultado não é questionável, porque sofremos quatro golos. Sabíamos que íamos sofrer e que o Benfica ia entrar forte. Quando reequilibrámos, conseguimos chegar à igualdade, mas sofremos o golo no final da primeira parte, o que abalou a equipa", lamentou.

Apesar da derrota, Pedro Emanuel garantiu que os objetivos da equipa de Coimbra "permanecem intactos", antes de ser questionado sobre o clássico entre FC Porto e Benfica, da próxima jornada.

"Este campeonato está cada vez mais competitivo, desde o fundo (da tabela) até cima, e vai ser disputado. O próximo jogo entre FC Porto e Benfica irá ser um desses jogos bastante disputados", rematou o antigo "capitão" dos portistas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG