Willock e Keaton Parks convocados para Paços de Ferreira

Rui Vitória chama dois jogadores que têm jogado pela equipa B

A chamada do médio Keaton Parks e do extremo Chris Willock são as grandes novidades da lista de 20 convocados do Benfica para o jogo deste sábado, às 20.30 horas, em Paços de Ferreira, a contar para a 23ª jornada da I Liga.

Em relação ao jogo anterior com o Boavista, o treinador Rui Vitória deixou de fora Eliseu, por opção técnica, uma vez que os lesionados continuam a ser Krovinovic e Salvio.

Rui Vitória considerou esta visita a Paços de Ferreira como "mais uma batalha para vencer", perante "um adversário que precisa de pontos" e que, por isso, o Benfica precisa de jogar "com determinação e convicção". O treinador encarnado lembrou que nesta fase "todas as equipas precisam de pontos", mas está convicto que a sua equipa tem denotado "uma grande evolução" que é reflexo das "melhores dinâmicas do coletivo e de um conjunto de variáveis que têm potenciado as exibições da equipa".

Eis então os 20 jogadores que viajaram para Paços de Ferreira:

Guarda-redes: Svilar, Bruno Varela;

Defesas: Grimaldo, Luisão, Jardel, André Almeida, Rúben Dias;

Médios: Fejsa, Samaris, Zivkovic, Pizzi, Franco Cervi, Rafa Silva, Chris Willock, Keaton Parks, Diogo Gonçalves, João Carvalho;

Avançados: Raúl Jiménez, Jonas, Seferovic.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.