Vieira protege cabecilhas dos No Name Boys, diz PSP

O Presidente do Benfica tem dá apoio expresso aos No Name Boys, claque ilegal cujos vários membros são suspeitos de tráfico de armas e droga, roubos, incêndios e agressões. Luís Filipe Vieira garantiu ao Ministério Público que nem sequer reconhece os No Name Boys, mas um relatório da PSP; citado pelo ‘Correio da Manhã’, diz precisamente o contrário. Estas informações já estão nas mãos da Liga de Clubes.

De acordo com este relatório, Vieira reuniu-se, a 18 de Junho de 2008, com ‘Zé Gago’, elemento dos No Name Boys, “oferecendo-lhes total apoio, afirmando que iria devolver a sede à claque, despedir o chefe de segurança Paulo Dias por ajudar a PSP e autorizar o uso de tochas dentro do estádio”.

A ocorrência deste encontro foi detectada através das escutas a Hugo Caturno, elemento “extremamente violento” da claque. Numa conversa gravada entre Caturno e ‘Zé Gago’, este disse que Vieira lhe prometera que na época seguinte não haveria polícia na zona da claque, que autorizaria o uso de tochas, que iria devolver a sede à claque, com obras custeadas pelo clube, e que iria “tratar da polícia em três tempos” e “correr com Paulo Dias”. Paulo Dias é chefe de segurança que auxiliou a PSP a identificar vários dos 31 alegados criminosos detidos pela Divisão de Investigação Criminal da PSP de Lisboa, em Novembro do ano passado.

Segundo o relatório da PSP; Vieira tentou cumprir uma das promessas ao pedir a Diamantino Gaspar, comandante da PSP de Benfica, para “aliviar” a presença policial junto dos No Name Boys.

Ainda de acordo com “Correio da Manhã”, as informações deste relatório já estão na posse da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), que, de acordo com a lei ainda em vigor, pode suspender a actividade desportiva do Benfica (a nova legislação ainda não entrou em vigor), pois a direcção do clube “não cumpre a lei e cede bilhetes a preço reduzido e instalações “ a claques ilegais.

Benfica nega e processa

A reacção do Benfica não se fez esperar. Em comunicado, o clube diz que vai apresentar queixa-crime contra o ‘Correio da Manhã’, o seu proprietário, Paulo Fernandes,, e o autor do artigo.

“É sabido o esforço que o Presidente do Sport Lisboa e Benfica fez na legalização das ‘claques’, tendo, inclusive, apresentado propostas que visavam a alteração do actual quadro legal e que sugeriam uma maior responsabilização dos seus elementos”, diz o comunicado, publicado no site do clube, garantindo que, “verificada a não legalização, nos moldes exigidos pela legislação em vigor, dos sócios do Sport Lisboa e Benfica em ‘claques’, o Presidente do Sport Lisboa e Benfica adoptou conduta rigorosamente inversa àquela que o ‘Correio da Manhã’ lhe imputa, ou seja, retirou-lhes qualquer tipo de apoios.”

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.