Vieira: "Não vamos estragar o que de bom conseguimos"

Presidente do Benfica não confirma a continuidade de Jorge Jesus, mas afirma que os encarnados vão manter "o rumo". Vieira admite que a época "não foi de sonho", mas fez os benfiquistas sonhar como nunca.

Luís Filipe Vieira, à margem de um jantar com deputados benfiquistas no Estádio da Luz, não confirmou a continuidade de Jorge Jesus no comando técnico dos encarnados, mas garantiu que a decisão será tomada "em função dos interesses do Benfica e do pensamento da administração", com a certeza de que será mantido o "rumo" dos últimos anos.

"A época não foi de sonho, mas fez-nos sonhar como não acontecia há mais de vinte anos. É verdade que a tristeza das últimas semanas é tanto maior quanto o caminho percorrido e as expectativas criadas, fruto do trabalho, dedicação e esforço de todos os profissionais. Este clube está habituado a viver sob pressão, pela sua grandeza e história. Estivemos muito perto de concretizar uma época fantástica, mas só a morte não se consegue ultrapassar. O resto supera-se", frisou Vieira, no seu discurso.

O presidente do Benfica, que ambiciona vencer a final da Liga dos Campeões no Estádio da Luz, em 2014, deu a receita para a próxima época: "Para o ano queremos repetir o que fizemos este ano, mas com um final diferente. Temos condições para isso", traçou.

"É evidente que quando não se ganha temos a tendência suicida de colocar tudo em causa. A verdade é que se tivéssemos ganho haveria coisas que teríamos de corrigir, mas também é verdade que o facto de não termos ganho não significa que tudo está mal (...) Vamos mudar aquilo que tivermos de mudar mas com ponderação, para não estragar tudo o que de bom conseguimos nos últimos anos. Não devemos ter medo das nossas convicções", vincou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.