Rui Vitória e a falta de parabéns ao FC Porto: "Não sou hipócrita"

Treinador do Benfica justificou a atitude: "Não me sinto bem a dar os parabéns a quem me tratou mal"

Na sala de imprensa, após a vitória sobre o Moreirense que garantiu o segundo lugar ao Benfica, Rui Vitória foi confrontado com o facto de não ter endereçado os parabéns ao novo campeão, FC Porto. E explicou a sua posição:

"O campeonato está terminado, está ganho, este ano foi ganho pelo FC Porto. Ganhou, ponto final, está terminado. Com mérito ou sem mérito. Eu não respondi a uma pergunta na conferência de Imprensa e disse que faria o balanço. Aquilo que sinto é que não posso ser hipócrita ao ponto de dar os parabéns a quem me tratou mal, me chamou tudo o que chamou, isso não faço. Numa época em que se disse tudo, quiseram transformar os parabéns do Rui Vitória no mais importante. Não me sinto bem a dar os parabéns a quem me tratou mal porque não sou hipócrita."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.