Paulo Lopes assinou por dois anos pelo Benfica

Guarda-redes de 33 anos do Feirense vai substituir Eduardo no plantel principal do Benfica. "Trio" de guardiões das balizas da Luz fica fechado.

O guarda-redes português Paulo Lopes, de 33 anos, assinou um contrato válido até 2014 com o Benfica, confirmando assim o cenário adiantado pelo DN em primeira mão, na sua edição impressa desta terça-feira.

Proveniente do Feirense, o veterano guarda-redes tem a seu favor o facto de ser formado no Benfica, algo precioso para a inscrição de jogadores nas competições europeias, bem como a nível interno.

Paulo Lopes chega à Luz a custo zero, depois de terminado o vínculo que o ligava ao Feirense, e vai substituir o compatriota Eduardo. O internacional português, contudo, não regressará ao Génova, uma vez que se vai juntar a Carlos Carvalhal no Istambul BB, algo também adiantado anteriormente pelo DN.

Estão, assim, definidos os três guarda-redes do Benfica para a época 2012/13: Artur Moraes, Paulo Lopes e Mika, sendo que este último poderá atuar na equipa B.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Mundo Disney em revista (ou em revistinhas)

Devem ter sido das minhas primeiras leituras, aquelas que li com entusiasmo, prazer e (porque não dizê-lo?) fervor literário: as histórias da Disney. Ou, como se dizia, os Mickeys (ou os Donaldes ou os Patinhas). Eram quatro revistinhas de histórias aos quadradinhos, três semanais e uma mensal, salvo erro: Pato Donald, Zé Carioca, Mickey e Tio Patinhas. Respectivamente: cinco escudos, cinco escudos, sete e quinhentos e doze e quinhentos.

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.