Nove anos depois, Vieira insiste nos 300 mil sócios

Benfica inicia mega campanha para fazer novos sócios do clube. Serão distribuídos 4,5 milhões de panfletos, de modo a capitalizar a boa época na Luz.

O Benfica vai dar início, na segunda-feira, àquela que será a maior e mais "agressiva" campanha de angariação de sócios a nível nacional. De modo a capitalizar a boa época 2013/14, que tem dado lugar a uma grande euforia com a conquista da I Liga e a possibilidade de vencer, ainda, Taça da Liga, Liga Europa e Taça de Portugal, Luís Filipe Vieira espera atingir finalmente a barreira dos 300 mil sócios.

Esta foi, de resto, uma das primeiras promessas do presidente encarnado, cuja convicção na altura até deu lugar a uma meta algo irrealista, dado o curto espaço de tempo: "Se o Benfica não tiver 300 mil sócios até outubro, demito-me", definiu Vieira, em 2005. A meta foi demasiado ambiciosa, por certo, mas pouco a pouco as águias vão-se aproximando da marca.

Em 2006, Luís Filipe Vieira apontou à meta dos 300 mil sócios "em 2009", na sequência do reconhecimento como clube com mais sócios do mundo pelo Livro Guinness dos Recordes, na altura 160.398. Desde então, as contas têm dado azo a vários números e estimativas, com Benfica, Barcelona e Bayern Munique a disputarem o estatuto de clube com mais sócios em todo o mundo.

Nesta campanha, Luís Filipe Vieira prepara-se para distribuir 4,5 milhões de panfletos de inscrição, pelos correios, e vai reforçar a campanha através de outdoors, imprensa e televisão. O Benfica diz ter cerca de 250 mil sócios e espera, com esta iniciativa, que os números disparem.

Luís Filipe Vieira, citado pelo jornal Record, dá o mote para atingir a meta: "Os jogadores não são campeões sem um bom treinador; o treinador não ganha campeonatos sem o suporte da direção; a direção não garante títulos sem o apoio do Benfica. E o clube? O clube não é nada sem os sócios", diz o presidente do Benfica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.