Multas superiores a 16 mil euros para o Benfica por incidentes com Feirense

Feirense também foi multado em 1148 euros

O Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) aplicou um conjunto de multas ao Benfica com valor global superior a 16 mil euros, por incidentes no jogo no terreno do Feirense, na sexta-feira.

O arremesso de tochas para o relvado e momentos distintos, num caso atrasando o início do encontro da 24.ª jornada da I Liga em quase cinco minutos e noutro provocando uma paragem superior a um minuto, o arremesso de um petardo para junto do guarda-redes do Feirense, o lançamento uma cadeira e o comportamento incorreto do público, nomeadamente nos festejos do golo da vitória (1-0), valeram 16.678 euros de multas, de acordo com o mapa de castigos divulgado hoje pelo CD.

O CD multou também o Feirense em 1.148 euros, pela entrada e permanência de materiais pirotécnicos no estádio Marcolino de Castro, em Santa Maria da Feira.

Noutro comunicado, o CD já tinha anunciado a abertura de um processo disciplinar por incidentes ocorridos num jogo da I Liga, sem especificar o encontro em questão. Além do arremesso de objetos, a queda da proteção de uma bancada aquando dos festejos do golo do Benfica provocou ferimentos num repórter fotográfico.

O órgão disciplinar aplicou multas de valor superior a cinco mil euros ao Sporting e mais de dois mil ao FC Porto por irregularidades diversas, nos jogos com o Vitória de Guimarães e com o Nacional, respetivamente.

No campo das suspensões, o CD confirmou as ausências de Bruno César e de Alan Ruiz no próximo jogo do Sporting, que visita o Tondela na 25.ª jornada. Os beirões não poderão contar com Wagner.

Jogadores suspensos:

I Liga:

- Um jogo:

Bruno César (Sporting)

Alan Ruiz (Sporting)

Tobias Figueiredo (Nacional)

Wagner (Tondela)

Mikel Agu (Vitória de Setúbal)

Nuno Pinto (Vitória de Setúbal)

II Liga:

- Um jogo:

Luís Ferraz (Vizela)

Feliz Vaz (Famalicão)

Mike Moura (Sporting da Covilhã)

Bura (Académico de Viseu)

Rui Raínho (Freamunde)

Diogo Santos (Santa Clara)

Luís Tinoco (União da Madeira)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".