Maxi Pereira prolonga contrato até 2015

O futebolista uruguaio prolongou o seu contrato até 2015, anunciou hoje o emblema "encarnado", em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

"O montante da cláusula de rescisão expressa no referido contrato de trabalho desportivo é de 20 milhões de euros (ME)", refere o clube.

No mesmo comunicado, o Benfica dá conta da aquisição dos "restantes 30 por cento dos direitos económicos" do defesa lateral direito "que remanesciam na titularidade do Defensor Sporting FC pelo valor de 2,7 ME".

O internacional uruguaio, de 27 anos, alinha no Benfica desde 2007/08 e venceu pela "celeste" a Copa América de 2011. Além disso, integrou as seleções que chegaram ao quarto lugar do Mundial2010 e da Copa América de 2009.

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, elogiou hoje o futebolista uruguaio Maxi Pereira pela renovação do contrato porque, apesar de o jogador ter tido várias propostas, "nunca quis sair, ao contrário de outros".

"Maxi Pereira teve várias propostas, mas a verdade é que, ao contrário de outros, nunca quis sair", afirmou o líder do clube "encarnado", durante o almoço de inauguração das novas instalações da Casa do Benfica de Évora.

Num discurso em que destacou a importância das Casas do Benfica para recuperar o interesse dos sócios pelo clube, Luís Filipe Vieira anunciou a renovação do contrato com o defesa Maxi Pereira, por mais três anos.

"O Maxi Pereira representa muito mais do que um simples jogador. Ele representa os valores do Benfica, alguém que nunca desiste, que olha sempre em frente, que por maiores que sejam as dificuldades dá sempre tudo", salientou.

O líder benfiquista referiu que "é que evidente que Maxi Pereira fica no Benfica porque quer", mas, frisou, fica no clube, acima de tudo, porque o presidente tem "muito orgulho" em que o jogador vista a camisola encarnada.

"Maxi representa o que o Benfica foi nos últimos 11 anos, um clube que sempre desafiou todas as dificuldades e venceu", frisou.

O presidente do Benfica advertiu que "a história dos próximos anos não vai fácil", mas prometeu que, como no passado, o clube vai "saber encontrar soluções para cada um dos problemas que surgirem".

"Estou certo de que vamos sair ainda mais fortes e mais unidos quando o 'temporal' tiver passado", enalteceu Luís Filipe Vieira, garantindo que vai "defender até as últimas consequências os interesses do Benfica".

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.