Mantorras: "Nunca ninguém se vai comparar a Eusébio"

Pedro Mantorras, outrora considerado o "novo Eusébio", lamenta a morte de um ídolo de uma inspiração para "todos os jovens que saem de África".

O angolano Pedro Mantorras, ex-jogador do Benfica, afirmou hoje que todos os jovens futebolistas africanos sonham ser como Eusébio da Silva Ferreira e destacou a "alegria" que o "Pantera Negra" dava às pessoas.

"Eusébio é tudo de bom, é uma pessoa que transmitia muita alegria às pessoas. Nunca ninguém se vai comparar a Eusébio, vai sempre marcar a história e ele teve uma grande história. Era uma pessoa humilde, fácil de lidar e aconselhou-me bastante", afirmou Mantorras em declarações à Benfica TV.

Quando chegou ao clube da Luz, em 2001, Mantorras chegou mesmo a ser referenciado como o novo "Pantera Negra", antes de ter sofrido um grave lesão no joelho, que acabou por marcar a carreira do antigo avançado angolano.

"É uma honra ter sido comparado a Eusébio, mas Eusébio há só um. Ele era o rei, ele era o King. Quando saí de África eu, e todos os jogadores jovens, queríamos ser igual ao Eusébio, era esse o sonho. Quando cheguei ensinou-me o que é o Benfica e a sua grandeza. Ajudou-me sempre também quando tive as lesões", lembrou.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.