Mantorras: "Nunca ninguém se vai comparar a Eusébio"

Pedro Mantorras, outrora considerado o "novo Eusébio", lamenta a morte de um ídolo de uma inspiração para "todos os jovens que saem de África".

O angolano Pedro Mantorras, ex-jogador do Benfica, afirmou hoje que todos os jovens futebolistas africanos sonham ser como Eusébio da Silva Ferreira e destacou a "alegria" que o "Pantera Negra" dava às pessoas.

"Eusébio é tudo de bom, é uma pessoa que transmitia muita alegria às pessoas. Nunca ninguém se vai comparar a Eusébio, vai sempre marcar a história e ele teve uma grande história. Era uma pessoa humilde, fácil de lidar e aconselhou-me bastante", afirmou Mantorras em declarações à Benfica TV.

Quando chegou ao clube da Luz, em 2001, Mantorras chegou mesmo a ser referenciado como o novo "Pantera Negra", antes de ter sofrido um grave lesão no joelho, que acabou por marcar a carreira do antigo avançado angolano.

"É uma honra ter sido comparado a Eusébio, mas Eusébio há só um. Ele era o rei, ele era o King. Quando saí de África eu, e todos os jogadores jovens, queríamos ser igual ao Eusébio, era esse o sonho. Quando cheguei ensinou-me o que é o Benfica e a sua grandeza. Ajudou-me sempre também quando tive as lesões", lembrou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.