Jorge Jesus: "Penálti no primeiro minuto teria mudado tudo"

Treinador do Benfica critica a "dualidade de critérios" aplicada por Artur Soares Dias no dérbi com o Sporting.

É o lance que promete dar que falar ao longo da semana: no minuto inaugural da partida, Anderson Polga "varreu" Gaitán na grande área, mas Artur Soares Dias indicou pontapé de canto. Jorge Jesus, treinador dos encarnados, justifica a derrota com este momento do jogo.

"O Sporting foi melhor? Não tenho essa opinião. Há uma diferença de critérios por parte do árbitro. Não digo que o penálti do Luisão não fosse penálti, mas há um penálti sobre o Nico [Gaitán] no primeiro minuto", criticou, na flash interview da partida.

"Foi um bom jogo, disputado por duas boas equipas. A equipa de arbitragem só teve o erro que complicou a marcha do resultado. Tudo se podia alterar", lamentou Jesus, que ainda assim deu os "parabéns" aos seus jogadores.

Apesar da desvantagem em relação ao FC Porto, Jorge Jesus recusa entregar as faixas. "Há 12 pontos em disputa, ficámos com quatro de atraso. Ficou mais difícil, mas tudo é possível. Há jogos difíceis, mas o que importa e que conta é que as coisas ficaram mais difíceis", avaliou.

Já na conferência de imprensa, Jorge Jesus, que insistiu que o penálti não assinalado sobre Gaitán foi determinante, foi desafiado a comentar outro lance polémico no Benfica-Sporting de Braga, onde Lima terá sofrido uma falta para grande penalidade quando a partida estava 0-0. Jorge Jesus, no entanto, disse querer falar "apenas do jogo" com os leões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.