Hamburgo confirma chegada de Ola John por empréstimo

O extremo holandês, de 21 anos, foi emprestado ao clube alemão até ao final da corrente temporada.

O Hamburgo informou, nesta sexta-feira, através do Twitter, que o holandês Ola John já está na Alemanha para se vincular ao clube da Bundesliga até ao final da corrente temporada.

O extremo de 21 anos ruma a Hamburgo por empréstimo (sem opção de compra) do Benfica, com quem mantém contrato até 2017 e uma cláusula de rescisão de 45 milhões de euros.

Ola John, que rapidamente foi de grande promessa a uma espécie de "mal amado" na Luz, esgotou a paciência de Jorge Jesus no jogo frente ao Leixões, da Taça da Liga (2-0), no qual foi repreendido pelo treinador após ser substituído.

A jovem promessa fez nove jogos pelo Benfica em 2013/14, três como titular, tendo apontado um golo, na Taça de Portugal, em Cinfães (0-1).

Ola John chegou à Luz em 2012, proveniente do Twente, à luz de um negócio cujos contornos não foram revelados pela SAD encarnada. O fundo Doyen Sports chegou a informar ter 80% do passe do extremo, mas no relatório e contas apresentado em março último a SAD garantiu ter 50% do passe de Ola John, assumindo uma dívida de 4,7 milhões de euros à Doyen Sports e de três milhões ao Twente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.